Falemos em economês sumidês, parte II - O todo

A economia é extremamente útil como forma de emprego para os economistas, John Galbraith
A segunda parte de "Falemos em economês sumidês, parte I - O exemplo". E começamos sempre com Churchill.

"Mais vale ler a noticia, do que ser noticia" in Churchill, walking with destiny

"Eu posso estar bêbado, senhora, mas amanhã estarei sóbrio e você continuará a ser feia" , in Churchill, walking with destiny

Naquele artigo, foi dado um exemplo do como se desbarata gratuitamente, recursos públicos em entidades  ineficazes e em quem as administra. Porque não são despedidos ? Agora com este artigo, pretende-se a partir daquele exemplo particular, estendê-lo à Região e ao GR, mostrando como este perverte as leis económicas naturais e comprovadas, pelas suas leis ou teoria económica das Bermudas, também chamadas lei da folha de Excel ou lei dos sumiços. Tome-se nota que isto é apenas praticado na RAM. 



Agora o todo

Quando o Sec. Regional da Economia, diz estar a fazer visitas, porque não conhece a estrutura económica da Região (a RAM não é grande e o que esteve a fazer como deputado ?), é anedótico, difícil de entender e imagino que se estivesse no Continente, demoraria mais de 4 anos a fazer visitas para conhecer o país económico ( aliás ele foi á WebSummit para conhecer a internet, certo ? ). Como Barreto não tem cheta, nem ideias, visita ou estuda(?). Como todo o GR, que apenas visitam, estudam.... porque numa região pequena, com tantos governantes e ajudantes!, pouco existe para fazer. Porque se atropelam, nada fazem. Por isso nada produzem. Mas ganham, muito, em demasia..... Aliás na Região, quem mais ganha no GR e onde estes têm o dedo, menos faz, menos produz ( uma consequência da Lei dos sumiços )

É difícil de explicar quando o GR diz que a economia madeirense está a 75 meses a crescer, portanto há 6,25 anos. Já no tempo de AJJ !!!!, que MA dizia não ser verdade e por isso, a economia na RAM não existir, ter sido uma das razões de o ter "empurrado" , traído .....
Mas se a economia cresce (será ?), porque é que o desemprego também cresce? Ao fim de 9 meses. Porque não antes ? Existiu algo que nestes 1,2  3, 6, 7 anos , 8 meses mudou na Região ? Nada, zero. Então porque só agora desce ?

Se um dos pilares económicos da região, o Turismo, que dizem ser o principal e responsável por quase 40% das receitas do GR, decresce, como explicar o crescimento da economia e apenas, dizem eles, só agora o desemprego baixar ?. Outra questão: porque a taxa de pobreza continua a aumentar ? Talvez o desemprego só agora cresça, porque muitos já emigraram na RAM, portanto não conta(va)m para as "estatisticas"? Ou o GR deixou de admitir "empregados" pós eleições ? Mas como é que o Turismo gera receitas, se os hoteleiros se queixam à anos de praticarem preços baixos ? E como existe Turismo, se os acessos/transportes para a ilha são piores e mais caros ? Sabemos que os sucessivos Sec. Regionais de Turismo, dizem o contrário, que está tudo bem. Mas ... ou mentem, ou mentem os hoteleiros, ou mentem os empregados nos hotéis, com ordenados cada vez mais baixos....face à inflação, ou mentem todos, ou está tudo louco.... Mas se o Turismo está pior, portando paga menos impostos à região, o GR tem de ter MENOS receitas. Porque pelo artigo anterior, já percebemos que as sociedades de desenvolvimento, institutos..... e o mais que houver, recebem mais do que pagam em impostos ( e algumas estão isentas ).


Ou então, o que é o mais provável, os Sec. Reg. de Turismo, os Presidentes e Vice destes GR´s e restante companhia, fazem turismo, cá dentro (o Dubai foi um lapso). Fazem os possíveis para manter as taxas de ocupação hoteleira. Como não fazem "puto", viajam. O governo paga.... e aos outros também.
Se comprares aquilo de que não careces, não tardarás a vender o que te é necessário, Benjamin Franklin
Por outro lado, ao discurso do orgulhosamente sós e rufia, notam-se nuances: diálogo com Lisboa, para o hospital ( verbas ) , para os transportes aéreos ( verbas ), para a educação e saúde ( verbas ), para o ferry ....  Este "diálogo" é tão grande que existe uma corrida, ganha por JM Rodrigues da presidência da ALM, que chegou á fala com Costa mais rápido. Duas agendas independentes, ambas com o sentido único de pedir auxilio, pedir ajuda, enfim pedir dinheiro. Uma Autonomia subsidio-dependente.



Também, para quem sempre disse ter as finanças boas, acha-se estranho que o GR fosse obrigado a pedir 70 milhões à banca para tesouraria. Ora, não foram 70 milhões, mas bem mais ( já se precaveram de contas furadas ) e os juros que vão pagar, que não dizem, foram cerca de ponto e meio superiores, reais, não o que vão dizer, ao praticado no mercado (ver as "letras pequenas" dos contratos, bem mais que a CMF obteve). E claro, tiveram que deixar garantias. Que não  dizem quais foram, porque é mau de mais.

Depois temos os dados estatísticos, que servem para tudo. Para o bem deles a curto prazo, para o nosso mal, a longo prazo, depois de eles saírem. Infelizmente, nunca mostraram estatísticas do que vale o funcionalismo público na Região. O GR é o maior empregador da Região, superando em muito os privados, numa relação de quase 3 para 1, se juntarmos todos aqueles que são funcionários de institutos/sociedades desenvolvimento, .... Mas também não dizem que mais de metade destas pessoas, exercem cargos de chefia (61% segundo os meus cálculos ). Como no exército português, o GR tem mais generais, brigadeiros, coronéis, .... sargentos do que soldados. E esta gente toda (veja-se este exemplo, clique) e mordomias, tem que ser paga. Mais uma vez, o GR paga mais do que recebe. Bonito.

Outra coisa que o GR não indica é a taxa de produtividade: que é baixa, muitíssimo baixa, a mais baixa do país, porque para tantos empregados:
  1. não existem tarefas para desempenhar
  2. recebem mais do que fazem/produzem
  3. são todos chefes e como numa "fila de pirilau", uma decisão é tomada com muitas assinaturas e  de patamar em patamar, de individuo em individuo, até         finalmente chegar ao final ( mas para os associados do regime é um fósforo esta tomada de decisão )
  4.  burocracia imensa
Também a taxa de absentismo é a maior do país. Porque será ? Simples, os funcionários públicos, maioritariamente as chefias, ficam deprimidos por nada fazerem (ahahahaah), pelo que recebem e os que trabalham nos privados têm os patrões a dizer que um ordenado mínimo de 635 € é demasiado e portanto....choram.


Taxa de absentismo alta e taxa de produtividade baixa, geram em qualquer lado, menos na Madeira, por causa da Teoria económica das Bermudas, ou Lei da folha de Excel, mais despesas. 

( Em nota de rodapé, Albuquerque é o menos produtivo Presidente de uma Região e os que o acompanham fazem coro com ele. Ora vejam, comparem com Canárias, Açores, as Baleares .... é o Presidente que tem menos gente per cápita para "governar", território menor para "governar" ...... Façam as contas entre a proporção de governantes da RAM e do povo, com o das outras regiões )

Economia: aquisição do barril de uísque de que não precisamos pelo preço da carne de vaca que não nos podemos dar ao luxo de comprar, Ambrose Biérce
Certo que a AFA paga impostos. Mas paga menos do que recebe ( exemplo idÊntico ao do artigo anterior ). o Grupo Sousa, aspas idem e todos os outros, Quadrantes, Diletus, Atalaia, Ribeiras Valleys, JM, ECM, HF, Via Litoral ( sim, grande monopólio ), Clubes de golfe ..... Tal como todas sociedades, institutos, privados .... onde o GR tem dedo e põe dinheiro. Depois temos a Saúde, que deveria ser tendencialmente gratuita, mas que afinal está dependente dos privados, uma vez que o GR não consegue, por incompetência gerir um serviço de Saúde. Por fim, para compor ainda mais o ramalhete, temos uma série de contratos públicos desastrosos que o GR assina, inclusive sabendo de antemão que não os vai praticar e portanto sujeito a pagar indemnizações ( em espécie ou favores ) e os apoios concedidos aos mesmos do costume em isenções de taxas, apoios monetários ..... E não esquecer a divida, que tem que ser paga: juros e amortizações. Mesmo os clubes de futebol, recebem mais do que pagam, apesar de dizerem o contrário. Certo, existem apoios comunitários, mas também é preciso pagar, cerca de 20 a 30% do total do projecto, para os ter.
(Outro exemplo, numa estrada que mandam fazer à AFA, o GR paga mais, do que recebe de impostos da AFA e dos ordenados dos empregados daquela, ..... Os empregados, compram, mas o que compram em mais de 80%, vem do continente e é ....pago aos fornecedores de Lisboa. O que fica na Região ? peanuts. )
A economia é uma virtude distributiva e consiste não em poupar mas em escolher, Edmund Burk
Portanto, dando mais do que recebe o GR cria divida. Os ordenados que pagam, os favores que fazem, as sociedades,institutos.... onde emprestam, perdoam, ... isentam, apoiam .... taxas e tudo o mais, são valores bem maiores que os impostos que recebem ( dos privados/monopolistas incluídos ). Um ciclo vicioso, que sucessivos GR´s nunca deixaram de instruir, fazer e manter, porque não sabem mais. Mas, talvez mitigue a taxa de desemprego, porque emprega demasiado. Por tudo o que relevo atrás, não percebo como o GR diz baixar a divida pública e que este ano será apenas de 5,1 mil milhões ( e têm a sorte do orçamento da Segurança Social vir do continente e os apoios que dizem conceder, aos por exemplo luso-venezuelanos virem na sua maioria de linhas próprias de ajuda da República,  ).
Eu reduziria o défice em cinco minutos. Bastava passar uma lei que diria que sempre que o défice for maior do que 3% do produto interno bruto, todos os membros do congresso deixariam de ser elegíveis para uma reeleição.Warren Buffet
Por tudo que refiro, nada bate certo. Temos pois a Lei ou teoria económica das Bermudas em acção na Região, praticada intensamente à mais de 40 anos. Se fosse verdade o que dizem, de por cada mentira, um dente cairia, Calado, Albuquerque.....já à muito estavam desdentados

Eu resolvia a questão numa penada: criava o imposto sobre a estupidez e asneirice e tributava. Rapidamente tinha as finanças da Região equilibradas e as finanças de muitos ao nível da sua "grandeza": muitíssimo baixa, nos fundilhos. Mas a policia está aí e o TC no que pode. Porque se Manuel António vai agora ser julgado, por crimes cometidos em 2005 e 2006, Albuquerque e Calado, que na minha opinião fizeram, fazem pior, também um dia serão apanhados e julgados. Afinal a justiça tarda, mas ...chega.

Observação
O psd-M (o cedezinho não conta) deve estar preocupado. Cada vez menos funcionários públicos votam neles. A tendência vem de longe, mas acentuou-se muito agora. Se olharem para a percentagem de funcionários públicos existentes e fizerem uma proporção ao total de votantes no psd-M, ....... OH my gooooodddd ( e não contamos com os pensionistas). E o tempo.... tic-tac-tic-tac-tic-tac passa.

Mas porque eles são todos good´s..., Johnny B. Goode, em "Back in future".
 

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.