Andam a queimar os valorosos


Nesta tarde, tomo conhecimento dos episódios da manhã na Assembleia Municipal do Funchal. Há muita gente de cabeça perdida e sem foco na população. Um partido tem sucesso na justa medida que souber servir a população, se começa a pensar em si, ao contrário do que alguns pensam, o resultado é cada vez mais medíocre porque são os eleitores que dão o sucesso pelo voto. Entre empréstimo aprovado mas não o orçamento parece que há contra-senso, até por comparação com o GR. No Governo Regional, aprovam o orçamento na Assembleia Regional mas não conseguem fazer empréstimos. Na CMF conseguem empréstimos mas não aprovam o orçamento na Assembleia Municipal. Nada mais claro sobre a natureza e a dualidade da política que ainda sobrevive. O eleitorado é muito mais inteligente do que alguns políticos, muito fracos, pensam. Hoje, Miguel Silva Gouveia sorri, ao contrário do que possam pensar, a votação foi a seu favor ...

Sábado saiu no DN um assunto com capa e duas páginas sobre Manuel António Correia. Não é novidade para ninguém que deveria ser a última pessoa com alguma idoneidade no PSD Madeira. Também não é novidade que muitos acham que tem a experiência, carisma e a idoneidade para governar a Madeira. Há singularidades que a opinião pública não conhece e que aguardam por momento oportuno. Ao ler, a sensação que fica é que o PSD perdeu (estupidamente) e que Manuel António Correia se não explica cabalmente vai ficar na mesma lama dos outros. Ou será que os outros o trouxeram para a lama e assim ficam em pé de igualdade?

Reparem que estão a “matar” Pedro Coelho e agora Manuel António, após longo historial com outros nomes, estes são tão só os mais recentes. Quanto a mim, tudo isto sucede porque muitos pensam que Albuquerque é letra vencida, por essa razão, alguns se posicionam e o PSD está em convulsão. Jogar limpo na política com o PSD é uma utopia e estes Renovadinhos são do pior. Manuel António Correia deverá ficar centrado no seu temperamento calmo e afável, a Justiça que esclareça e não ele, até porque ninguém diz bem de si mesmo com sucesso. Dá muito jeito que fique quieto, entretido, entalado.

Todos sabemos da quantidade de gente que o PSD tem para se desconfiar e acusar antes de Manuel António Correia. Alguns até estão envolvidos em casos de justiça mas o tempo consome a decisão judicial e provoca esquecimento. Digo isto porque quem leu o artigo e pensa, fica com a clara ideia de que o benefício passou a ser para todos e que os beneficiários entregariam proveitos à Região. Ora, quando é para todos lesa alguém? Não lutamos todos os dias por isto? É que antes da decisão a quota era para um e depois passou a ser para todos. Entrar com dinheiro nos cofres da Região é crime ou não é hábito? Mais, as receitas seriam para pagar dívidas que recairiam sobre a Região, se a cooperativa não pagasse empréstimos contraídos seria a Região a cobrir. Também não é regra munir os cofres da Região? O sentido obrigatório é unicamente de saída? Quem sabe se é isto que irrita alguns?

Quem começa a esmiuçar vê um não caso, até porque estava dentro da legalidade atribuir a quota de pesca conferida por instituições internacionais sem interesses directos na Região. É que ainda por cima, o secretário da altura estava a preservar um direito dos pescadores madeirenses porque não tinham meios para usufruir da quota (embarcações/ equipamentos) e, se não o fizessem, perderiam a mesma por não uso. Já pensaram nisso? O Manuel António Correia ocupou a quota para a Madeira não perder no futuro, assim manteve a quota e teve um proveito para o GR. O lucro não foi para o acusado. Aliás o próprio Tribunal reconhece que Manuel António Correia não teve qualquer proveito e o caso é sobre a decisão (gestão ou política) que interpreto como descrevo atrás.

Muitas vezes os documentos não explicam a natureza livre, espontânea, de expediente, de quase fazer o habitual que inspira grande parte da gestão pública, o que se confunde com a suspeição generalizada sobre tudo o que mexe por causa dos casos obscenos de contratos em outras áreas que andam sempre na berlinda.

No entanto, não deixa de ser possível que o secretário de então tenha assinado a confiar na equipa, com os dados expostos (ou desconhecidos) e no interesse público mas que depois, sub-repticiamente, alguém dos "intermédios" tenha de alguma forma beneficiado. Tudo é possível.

Parece algo inverosímil o ressurgimento do caso ao fim de tantos anos, as demoras relatadas não me parecem de encobrimento mas de falta de “pernas para andar” e que agora alguém teve o interesse de pôr a mexer para tramar uma pessoa idónea. Só se compreende por guerras internas de queimar os mais bem colocados para uma nova era ... é que é um atrás do outro ... que coincidência!

Fica esta leitura, quando houver mais elementos fidedignos dou mais um passo. Por agora quero só salientar que o poder manipula, o Costa já é autor da promessa do ferry e está a empatar tudo, a promessa de 2015 e o que se passou nos concursos do Governo Regional para provocar insucesso é para esquecer. Do caderno reinvindicativo da RAM, que insulta sempre a República, retornou um miserável resultado (ler esta peça). Quem tem as contas mais fiáveis é quem tem empréstimos, não quem berra mais. O sucesso no Turismo mora ao lado nas Canárias com exemplos, não com congressos de bajulação aqui, passada a euforia os números continuam a descer. Quem está de boa fé e postura não costuma ter sucesso, tachos ou aparece no JORAM. É importante estar atento porque os mandriões querem queimar quem lhes faz sombra ou podem atentar contra o seu poder. Querem trazer todos ao seu nível para, na podridão, vencer o "menos mal".

O que sim é verdade, são as mentiras da campanha eleitoral que caem em catadupa e os comprados (idóneos de então) a aparecer com o nome no JORAM. Conservem confiança nalguns, não participem na terra queimada que está aí, será sempre necessário alguém para Governar. Se não são bons, que sejam os menos maus (na positiva), agora os que se conhece de "ginjeira" não!
Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.