Vueling abandona a Madeira

Vueling na estreia na Madeira, a 20 de Junho de 2015

Foi esta semana noticiada, pela RTP-Madeira, a decisão da Vueling de abandonar a rota Barcelona-Madeira, que tinha vindo a efectuar na época de Verão, desde 2015.
Um abandono que vem juntar-se à já anteriormente anunciada saída da Volotea, que operava voos para o mercado Francês.

Em comum, as razões invocadas para o abandono das rotas para a Madeira: A inoperacionalidade e os custos operacionais do Aeroporto da Madeira, algo que tem vindo a afectar de uma forma crescente os operadores que ainda voam para a Madeira e que nem todas as companhias estarão dispostas a suportar, especialmente considerando que não lhes faltarão opções economicamente mais viáveis e fáceis de operar no Verão, em especial agora que os mercados do norte de África tendem a regressar aos níveis anteriores.

Vueling aterrando no Porto Santo, após ter divergido da Madeira, devido às condições meteorológicas

Infelizmente, estes poderão não ser casos isolados e a confirmar-se outros rumores de abandonos, o mercado turístico da Espanha continental poderá estar em risco de extinção.

A juntar-se a esta situação, temos a grande indecisão relativamente a outro grande mercado emissor de turismo para a Madeira, o Reino Unido que, com todas as incógnitas do Brexit tem visto crescer o domínio de uma companhia, a Jet2, com o decréscimo ou retirada por parte de outros operadores. 
Como recentes eventos de falências e problemas diversos em companhias que voam para a Região vieram demonstrar, não é de todo conveniente estarmos tão dependentes de uma única companhia, em especial naquele mercado.

O facto é que face às exigências e características do nosso aeroporto, são poucas ou nenhumas as companhias que têm demonstrado real interesse em operar para cá e, pelo contrário, várias das que cá operam já demonstram saturação e vontade de sair devido a todas as situações que tornam o destino pouco atractivo operacional e financeiramente falando.

Nunca mais se falou sobre os tão famosos estudos relativos aos limites do aeroporto da Madeira. Qual o ponto de situação relativamente a essa situação?
Ressalvo que, na minha opinião, qualquer decisão nesse aspecto terá de ser sempre técnica e baseada em estudos concretos e fiáveis que permitam uma decisão que prima tecnicamente pela segurança em concreto e não pelo medo ou pressão política. Sabemos que tal leva o seu tempo mas, há coisas que não são para se ir fazendo...

Que mais está a ser feito para conquistar novas companhias e manter os mercados existentes?

O que está a ser feito para minorar os efeitos dos períodos de inoperacionalidade do Aeroporto?

Há o velho ditado de que “À mulher de César não basta ser honesta, tem de parecer honesta”...parafraseando, diria que “À mulher de César não basta parecer, tem de ser”....


Rui Sousa
Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.