O circo na cidade

Democracia é a arte de, da gaiola dos macacos, gerir o circo. Henry Mencken
O Sr. Feliz e o Sr. Contente

A marca Porcos, Sujos, Dependentes – Miseráveis, nas mercearias de bairro conhecida como PSD-M, trouxe o circo á cidade. Para mal dos meus pecados, o patrão Gnose, pediu-me que escrevesse a crónica social do evento. Eu ainda argumentei que de vestes nada percebia. Mas pronto. Manda quem pode, obedece quem precisa.

Fonte interna do circo, em off, disse-me que este começa com uma passagem pelo tapete laranja, das socialites mais conhecidas e menores, da cidade e da marca: aos Dantas, Pradas, Rubinas e Mornas, junta-se a Minie e os Queques, os Sousas, os Calados, o Sousa, juntam-se aos irmãos Dalton, as Claras, Machados, Rubinas, aos irmãos Metralha, aos Baetas, as Beatas, ….. um sem ver de ilustres, a quem se juntarão para as pateadas, todos aqueles bichos amestrados que os seguem, que fazem barulho e comem á mão. Os ilustres ficarão instalados em tribunas e camarotes e o resto ficará em piso térreo. Ahhh e não esquecer os muito importantes Jardins, onde o chefe de clã, parece que terá tribuna especial, com os charutos, o whiskey Jameson 24 anos e com o olhar maroto e critico para as pequenas e pequenos, que o reformaram ( ??? ).

Como não podia deixar de ser, segundo a mesma fonte, os palhaços, os contorcionistas, os malabaristas, bailarinos, vão aparecer tal como cromos “portunhóis” na venda das pipocas e trupes de embotados ( da  cabeça ) no algodão doce e que farão tudo para se venderem e mostrarem-se. Aparecerão também, segundo a mesma fonte, tal como num circo de horrores,  mulheres barbudas, homens elefantes e trombudos, os homens chifrudos, e mulheres serpente, com ou sem chifres. Serão vistas também várias múmias, emplastros e “last, but not least” igualmente várias sereias para convívio, existindo quem diga também da existência de  “sereios”.

Diz-me o Senhor M.C., que este é um circo chique, não de gelo, nem de “soleil” mas realizado num verdadeiro e completo e preparado pântano, …. alaranjado, onde as personagens principais irão chafurdar, não esquecendo as moscas, mosquitos, varejeiras, que vêm pelos odores e esterco concentrado. Os convidados, directores, secretários ...estarão sentados em local exclusivo, vendo em posição priveligeada o pantanal que criaram, eles e antecessores, numa perspectiva simétrica de côres e odores.

Se Porcos, Sujos Dependentes – Miseráveis é quem fornece o circo, falta frisar, que este também tem o apoio das seguintes colectividades: Sousa & Sousas, patos, barcos, portos e internet, SARL; Avelino, filhos, descendentes e outros, SA; Careca ao fundo, Lda; Banda filarmónica é  meu, é meu é meu, da associação recreativa e desportiva Os Papalvos; o Espetado, papa para tolos, unipessoal; Eu como tudo, eu quero tudo e gasto tudo, cozinha para poucos, da mafia & mafia Lda; Construções e artes  de areia Lda; e Ganho muito e faço pouco, de filhos & cadilhes, SA. Não esquecer que Janelas Místicas (JM ) da suzilândia volley comunications, deverá ser o órgão de comunicação com maior afectividade pelo circo, seguido de outros de igual candura e expressividade, nomeadamente o Economato Malandreco (EM), da Flipândia sondavirtual.  Como não deixará de ser, a  Radiotrouxa, Televiva Por-favores – Medieval ( RTP-M ), fará acompanhamentos em directo.

Ainda esbocei umas palavras no artigo que me encomendaram, mas logo a seguir pedi ao patrão Gnose, para me darem outra noticia para desenvolver. Sabem, receei  que a sec. da direção do circo, Prada, me fizesse a mim, o que fez ao “mayor” de Santa Cruz. È que ele dizendo apenas  “que da boca da senhora (só) saem asneiras”, levou logo com um processo em cima. E eu que ia dizer que a senhora era das caras mais lindas no tapete, que devia haver mais, para elevar o nivel de beleza do evento, levava logo com assédio, imoralidade, prepotência jornalística…. Retrato-me já do que ia escrever, peço desculpa e escreverei apenas, é mais um  membro da direção do circo que usa publicamente saias, que passou no tapete de forma ligeira e comedida.( isto é, acho eu, porque não vi bem as imagens, porque aqui o reporter foi impedido de chegar aos camarins. Está mal, para alguns colegas meus tudo e eu …. continuo a chuchar ).

As pessoas de espírito fazem de um salão um teatro, os imbecis, um circo. Condessa Diane Espirito

Mas prontos, a redação da Gnose foi sensível aos meus argumentos, deu-me outro assunto e a minha surpresa foi muita, ao ver que queriam que falasse sobre os palhaços. Ahhh os palhaços. Neste circo são tantos e tão misturados ( no publico, na assistência, no espetáculo ….  ) que tinha matéria para escrever muito. Mas um artigo longo é chato e tive que optar pela feliz dupla: o Sr. Feliz e o Sr. Contente

Esta dupla, director e vice-director da actual colectividade que nos (des)governa cá neste pedaço de terra, tiveram a virtude e o prazer, de fazerem uma grande …. "evacuação"  aqui mesmo na cidade. Eu explico.

“Ajuntaram-se” quando o Sr. Contente, tomou a direção do plim-plim da pequena colectividade da cidade de seu nome Câmara Mal-parada, de que o Sr. Feliz era o mayor, á uns anos. E tomou-a tanto e tão bem, que a colectividade ia falindo, tanta foram as borlas que deu e deixou dar. Imagine-se que depois da dupla sair, a colectividade tinha apenas troquitos, para o jogo da moeda. Aliás, segundo dizem, logo no primeiro dia, saltou a peruca e ainda não a encontrou, o novo mayor da dita cuja ( as más línguas, dizem que agora na colectividade, é um corrupio para saber quando o mayor sai, para ver se consegue ocupar  o lugar do Sr. Feliz aqui na terra )

Nesta luta por este pedaço de terra, entre o Sr. Feliz e o sem peruca, o Sr Feliz recentemente e o mais energicamente possível, na Radiotrouxa Televiva Por-favores, falou da sua relação, “incestuosa” ou complexo Edipiano que tem, com o Costa, o do castelo Bento.

Cheguei a pensar que falava do seu costado, mas não, equivoquei-me: este era um Costa real, com morada em castelo Bento, com discurso idêntico ao do Sr. Feliz, mas de uma tal de República longínqua a 900 km. Fiz umas pesquisas e sei o que aconteceu: é que o Sr Feliz e o Sr Costa plagiaram-se mutuamente. Para ambos, as colectividades onde são chefes mores, são 5 estrelas. Vêm tudo côr-de-rosa, lá no pedaço de terra, onde as colectividades que chefiam mandam. Tudo, mesmo tudo melhorou: saúde, rendimentos, projecção internacional; emprego; aumento de todas as boas taxas e mais alguma; diminuição de todas as más taxas e mais alguma; obras públicas; escolas, …… a serem criadas ( conta as pinturas novas ).

Parece-me que o único problema do Sr Feliz é que o tal Costa, tem um circo maior e numa cidade maior e tem a chave de um tesouro, que Feliz quer ter, apesar dos outros e daí esta calhandrice de maus ares nas entrevistas. Para o Sr. Feliz, quem aqui na terra e fala mal das pantominas que faz, é um desajustado o que coloca logo um problema: esta terra de desajustados, tem que obviamente de substituir o Sr. Feliz, por alguém mais ajustado aos desajustados. O reporter ainda tentou chegar á fala com o Sr. Feliz, mas infelizmente não conseguiu. Mandaram-me amavelmente á ....fala com o comunicador mor da colectividade, mas este estava ocupado a escolher e provar os poses de cha e tonificantes para os artistas e também amavelmente mandou-me circular pelo pântano.

Já o Sr. Contente e depois de já à algum tempo estar calado ( o que disse o mayor de Santa Cruz ? ), também num  jornal da cidade, pertença de uns produtores de marca de vinho e de colecionadores de barcos, barquinhos, …. disse o mesmo que este Costa. E foi mais longe, lembrou-se de dizer neste pedaço de terra onde é vice,  que os petizes têm que perceber que estudar muito e obter um grau académico na escola da terra não é tudo. Mas tudo se consegue com esforço, preservação e conhecimentos, mesmo muitos ( veja-se o exemplo dado pelo mini-chefe da educação ). Esqueceu-se de mencionar que os bens nascidos, já têm também uns trunfitos para jogar na sua ascensão. Presumo que a ideia que tentou passar é que quem nasce na marca e pela marca Porco, Sujo, Dependente-Miserável está á frente de tudo ( até na tontice, na malandrice, na patetice ). Aliás, como dizem os velhos, "de pequenino se torce o pepino" e garanto-vos, muitos pepinos já aqui, neste pedaço de terra, foram feitos e sairam todos, mas mesmo todos tortos.

O reporter também soube e por meio de fontes bebedisticas, que este pantano criado, para este evento, será depois requalificado para produção de sapos, porcos, shreks e shrekas serpentes, enguias ......porque está na moda a reciclagem de espaços protoindustrios, o engulir sapos e manutenção do meio viral actual. Aliás, esse será o principal assunto que o Sr. Feliz terá entre mãos e pernas, nos meses mais próximos. Aqui Estudio, a emissão passa para aí. ( bolas bolinhas que pivete, Cheiro mal como tudo. O patrão devia-me aumentar )
Um imbecil pode, por si só, levantar dez vezes mais problemas que dez sábios juntos não conseguiriam resolver, Vladimir Lenine

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.