Um Silly para toda a Season


As pessoas são ridículas apenas quando querem parecer ou ser o que não são, Giacomo Leopardi
Silly season,  é aquela altura do ano onde a informação, os fazedores de informação e autores de informação, normalmente fecham mais a boca, descansam os dedos e o vulgo dos mortais, fica sem aquela intensidade informativa habitual.
Informação existe, mas é tão pouca ou quase nenhuma que qualquer coisa dita é empolada, comentada no sofá, na praia, ….. consumida também com a cerveja, entre amigos … Os jornais ficam-se pelo encher de páginas, as TV´s pelos enlatados, nas livrarias sobram os policiais e os romances, no cinema nada.É a estação das "dondocas", das "tias", dos playboys e dos playgirls. 
Toda a gente sabe, que os políticos e os comentadores de tudo e todas, descansam a boca e os dedos, à espera da oportunidade de em Setembro, depois da "silly season", começarem a debitar … opiniões, sobre tudo, sobre todos. Sempre em crescendo.

Mas na Madeira não existe silly season. Muito menos no regime. Porque aqui o ridículo acontece durante todo o ano. Para os "opinion makers" do regime, aquele ditado velho “quando se abre a boca ou "sai" mosca ou sai asneira” é muito verdadeiro.  Igualmente, dêem-lhes um computador e “aqui vai disto Evaristo”. É só teclar, teclar, teclar [ até parece a Dory no “À procura de Nemo”: é só nadar, só nadar, só nadar …. ] Na Madeira, "dondocas e tiiáááásss" existem e (mini)playboys também. E adoram mostar-se em qualquer esquina, bar, restaurante, mais ou menos ataviados com aquilo que compraram com o dinheiros dos outros: os reais contribuintes na Madeira. 

Eu sou do tempo onde o ridículo era algo a ser evitado, mas não um objectivo a ser atingido. Por isso não vou falar da "silly season", mas vou falar de um "silly" de toda a "season" da RAM. Refiro-me também a : 

Miguel de Sousa, o cheerleader

O Dr. Miguel de Sousa, é um “dinossauro” na politica, no social e desporto na Madeira, com um curriculum profissional e politico controverso que lhe deveria dar já experiência e alguma sensatez. Coisa que não mostra, pelo menos no artigo que escreveu no DN-M em 24 de Junho, Pedro Ramos: herói imprevisto ?

Miguel de Sousa neste artigo, torna-se no “cheearleader” de Pedro Ramos, de Miguel Albuquerque e do estado da Saúde na Madeira. Eu preferia ver umas meninas com pompons e uns fatos mais justos, mas lá está, cada um leva com o “cheerleader” que merece [ imaginemos Miguel de Sousa com….mau de mais ]
Porque estamos na Saúde, vamos lá dissecar o artigo panegírico de Miguel de Sousa, que sabe tanto de tudo e de todas
Aquele que sabe quando tem bastante, não cairá no ridículo. E aquele quando deve parar, não correrá perigos, Lao Tsé
( um dia haverei de me debruçar sobre o Banif que foi fechado por Lisboa “apesar do imposto pago por nós” !!!!!! e da “ contribuição sobre o sector bancário, que financia o Fundo de Resolução Bancário, não fica na Região” !!!!!! do IVA do CINM e do outro  IVA que fica na região !!!!! …. duma silly carta no DN-Madeira)

[um aparte sobre esta pandemia: sejamos honestos, controlar uma pandemia em ilhas, de área geográfica pequena, ( 740/42 km2),  com apenas um ponto de acesso aéreo, com 2,3,4 pontos de acesso marítimos, com de população ( 240 000/4 500 hab ) baixa, é fácil porque as autoridades policiais, militares, aéreas e marítimas portuguesas, olhe que sim Sr. Dr, olhe que sim, sediadas na região, são profissionais e boas no que fazem. Numa região com defesas naturais intransponíveis, é tão fácil encontrar um carro roubado, como pessoas a chegarem com este ou outro vírus: basta fazerem testes à chegada. O carro não foge e as pessoas idem-aspas. Coisa de que as autoridades regionais ainda têm dúvidas "existenciais" no aeroporto e nos portos: 14 dias de quarentena ainda ].

Diz o Dr. Miguel de Sousa no seu putativo e potestativo para mim, artigo, entre outras pérolas:
1) Pedro Ramos é um “herói imprevisto”,
O que Miguel de Sousa não sabe, nem quer saber, é que heróis são todos aqueles que lidam, precisam, não são atendidos, são ignorados, são dispensados, são mal tratados, os “listados” nas listas estáticas e dinâmicas de espera em consultas e cirurgia, no hospital, centros de Saúde na RAM.
São aqueles que durante 5 anos e mais, tiveram um Sec. Regional, um presidente de GR que olharam para a Saúde na Madeira como um “hobbie” e portanto governam mal, mentem a todos, incluindo profissionais de saúde, não têm mão neles como a recente e actual "guerra médica" mostra(ou), deixam muitos do regime usar a Saúde e os serviços do SRS como hobbie, ganhando ali para os seus "os alfinetes", levando para a privada os "sem tempo de esperar por uma consulta". 
O modo de se vestir é uma preocupação ridícula. Mas é muito ridículo para um homem não estar bem vestido, Philip Chesterfield
2)  Pedro Ramos é um “politico”
È o próprio Pedro Ramos que diz não ser, apenas técnico. Mas em qualquer dos casos, politico ou técnico, é mau, muito mau no que faz. Não é gestor nem de homens/mulheres, nem de bens, nem de recursos financeiros. Aliás, para Pedro Ramos, o novo lema de MA “faça turismo cá dentro” é precioso: Para Pedro Ramos “haja saúde fora do SRS”
3) “Ainda ninguém se queixou do actual hospital nesta guerra ao vírus  diz Miguel de Sousa. 
Pudera, onde está o novo hospital ? Ou será que existe algum novo que ainda não foi encontrado ? Aliás, por este andar, nem nos próximos 6/8 anos. O que Miguel de Sousa se esquece, é como Pedro Ramos se “esqueceu” de manter a idoneidade em especialidades no actual hospital.
4) mostrou que esta equipa global da saúde regional trabalha bem com hospital velho”. 
De equipa basta que o Dr. Miguel de Sousa se lembrasse do que se passou com Mário Pereira, a rebelião vencida pelos "orange medical boys" para sabermos que não existe equipa, nem líder, já agora. Apenas egos, lugares ocupados por quem não tem habilitações para tal e coincidentemente ligados à politica e favores, não à profissão.
Herberto Jesus aparece agora, para entregar o monopólio dos testes à Covid para quem vem à Região, ao Cedec.  São, segundo Miguel Albuquerque mais de meio milhão de euros ( 600 000 € para Albuquerque ) mensais, o que dá em 3 meses 1,800 000 €, em 6 meses 3 600 000 €. Mais uma adjudicação directa que aparece de "mansinho" para não criar ondas. Como todas as outras.

5)   devemos estar muito felizes por sermos excepção a um ritual de óbitos, noutras paragens, sem regra nem previsão.
Uma opinião rasteira de cervejeiro esta. Uma opinião de tasca rasca, onde entre duas "corais" ( tem que ser não é administrador da central de cervejas ou gerente de tascas ? ) se consegue falar de rituais de óbitos. Eu, Dr. Miguel de Sousa, não poria as mãos no fogo sobre se houve ( ou não ) mortes pelo Covid na Madeira, porque como (não)deve saber, falemos em  “economês”, no período homólogo do ano passado, compreendido entre 1 de Fevereiro e 15 de Junho, houve menos mortes , cerca de 17%, do que neste ano.
O Vasquinho dizia "chapéus há muito, seu palerma". Eu digo mais: "mortes por paragem cardio-respiratória são todas, Sr. Dr."
6)  “…o resultado definitivo da pandemia se mede pelo número de falecidos. A História registará apenas os mortos”. 
Não é verdade, como (não)deve saber. Porque esta situação, está a trazer outro tipos de males sociais, mesmo óbitos que não são causados pelo Covid, mas por causa do Covid ( será que o Dr. Miguel de Sousa percebe "pelo" e por "cause de" ?)
O desemprego; a pobreza; a falta de educação; o endividamento matam. Coisa que o Dr. Miguel de Sousa não sabe, porque no regime, foi abençoado e obteve tudo de graça, exactamente porque é "cheerleader" do regime.
O odioso é a porta de saída do ridículo, Victor Hugo
7) "…mais valioso é o nosso sucesso quando vemos o que se passa em Lisboa, onde as eminências pardas da saúde deste país não conseguem controlar a pandemia.." Lá está, o Dr. Miguel de Sousa compara realidades diferentes. Ainda não entendeu que 240 000 pessoas , 1 aeroporto, 3 portos, 5,6 marinas …. não podem ser comparáveis a 10 000 000 pessoas, 4 aeroportos, 35 aeródromos, +/-40 portos, n marinas, uma fronteira terrestre de 1214 kms e uma ZEE (inclui Madeira e Açores) de 1 727 000 km2
8) Um presidente Marcelo, feito carro zero-zero de António Costa, vai suavizando as crescentes críticas ao governo e abrindo caminho a novas e mais duras medidas de comportamento social. 
o Dr. Miguel de Sousa aqui já tem discurso mesmo de tasqueiro e como cheearleader de Miguel Albuquerque para presidente. Não falo, porque numa tasca, tudo é permitido, até ......boçalidades ou "trumpalidades".

E é assim que o Dr. Miguel de Sousa, continua a relevar o seu discurso rasto. Que fique pelo golf e pelas cervejas, onde o boçal pode ser dito entre amigos. Já é tempo de parar, escutar e dobrar a escrita e língua. 
O Dr Miguel de Sousa, nunca praticou o que Juvenal diz " a pior coisa que a miséria oferece é tornar-te ridículo diante de todos". Porque os todos, para o Dr. Miguel de Sousa, são também tão ridículos quanto ele e nunca serão miseráveis no regime. Exactamente porque enriquecem com ele. Os outros , Dr, Miguel de Sousa, são os heróis. Aqueles que sobrevivem, mesmo com Pedro Ramos e Miguel Albuquerque a governar. Afinal, a culpa é de Miguel, por estar a escrever isto.

Silly Symphonies - The Skeleton Dance


Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.