Comissionistas, criminosos, filibusteiros .....



... ou como tentar fazer dinheiro com a desgraça alheia 
... ou como atentar contra a saúde pública da RAM
... ou a boa arte de não governar
Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é burro ou não tem arte, provérbio português
Têm sido hilariantes os últimos dias na RAM. Como sempre o GR e os “excelsos” que o compõem são pródigos na desorientação, no nervosismo e no "navegar" por likes, mostrando agora uma faceta "comercial" e comissionista. Penso muitas vezes que erraram a profissão e deveriam estar nelhor numa feira.  "Quem dá mais?", "Leve 2, 3 pelo preço de uma !", " È para a menina ou para o menino!" fica-llhes bem.  Mas todos concordamos numa coisa: Contas e discurso coerente não é com eles.. 

É claro para todos que a Região não tem dinheiro para pagar despesas correntes. Por isso novas fontes de receita são precisas, talvez para pagar aos mais necessitados para o GR: os dependentes do Regime. 

Como fica claro que as opções tomadas pelo GR são despesistas, não tendo em conta a realidade actual. Por exemplo, os 3 milhões dados a Marítimo e Nacional ???  são ….impensáveis numa região endividada e em crise económica, como os próprios responsáveis constantemente referem. Apelam a Lisboa, mas gastam com "futebois". Não é correcto.

Mais uma vez, vamos aos factos, não esquecendo que neste GR cada cabeça sua sentença. Uma medida exacta do desespero, da ineficiência, da inoperância e sobretudo um baixar de braços para encontrarem novas soluçõese eficazes para combater as dificuldades do costume criadas por eles, acrescidas das criadas por esta pandemia, numa Região endividada "até à medula" ( mesmo sem a divída que não reconhecem ) e pior preparada para a actual realidade. "Lisboa, preciso de dinheiro" é uma das soluções deles. A outra é a , "a culpa é de Lisboa". 

As máscaras

Vai uma rebaldaria com elas. De onde vêm, para onde vão, quanto custam, como foram adjudicadas e critérios, como vão ser pagas é ….. um mistério. Mas o certo é que ninguém no GR sabe do que fala. Vejamos ...

Pedro Ramos: disse que foram adquiridas 360 000 máscaras com um custo de 460 000 € para distribuir pela população ( 1,27 € / máscara )

Pedro Calado: disse que o GR mandou fazer 450 000 máscaras em empresas regionais, com um custo de 700 000 € (1,52 € / máscara)

E na página do psd-M falou-se em cerca de 1 milhão de euros , para a aquisição das “benditas” cujas. ( Mas daqui, a táctica para gerir qualquer informação é dividir por metade o que escrevem, ficar com o quarto da restante para obtermos metade da metade da verdade)

O GR pela voz de MA  disse em Abril que iam ser mandadas fazer e destribuir pelo GR, 250 000 para a população madeirense residente.
Por sua vez Pedro Ramos, disse ter ainda de distribuir mais 120 000 pelos lares !!!

São muitos números, demasiados números a que se juntam mais outros:
Se nos inícios de Abril era uma máscara por pessoa, em meados eram 2 máscaras por casa ( os palheiros contam? ) o que quer dizer, que não só madeirenses recebem como também todos aqueles que não podendo ir à Madeira, têm aqui casa, inclusive os não residentes, estrangeiros, ..... ( coisa que MA publicamente não defende ).

Por fim, o GR recusa-se a dizer a quem foi entregue a produção destas coisas, "iop secret". De tal forma que nem no JORAM esses contratos por ajuste directo, "sim/não/talvez" aparecem. Pelo menos a mim. O que leva logo a perguntar se a mulher do Sr. Dr. Director, a cunhada(o) do Sr. deputado  ou a mais que tudo do Sr. .... e sócia(o) tiveram a sorte de estar no sitio certo com os contactos certos, na altura certa.  Transparência ... o que é isso para o GR ? Nada. Zero.

Mas entre boas, menos boas, péssimas, conformes e não conformes, com ou sem selo, com ou sem filtro, certificadas ou não pela DGS, mas cuja certificação deve ter sido dada pelo IBVM quando tudo estava grosso, entidade a quem o GR recorreu para comprar, mandar produzir, elas foram entregues, nunca no prazo indicado, mas para o ano civil, de 2020 acho.  Culpa dos correios por certo e de exagerado optimismo de quem, MA, em 7 de Abril dizia que as máscaras seriam entregues até 15 dias depois.  
Em relação aos modelos, as máscaras  mandadas fazer têm bastantes e diversificados, porque lá está, cada cabeça sua sentença e quem as produziu, naturalmente tentou dar-lhes toques e retoques á maneira de cada. Porque as regras e determinações da DGS são para ser interpretadas de formas criativas.  Por isso muitas das entregues parece não obedecerem à legislação. 
Se assim fôr, o GR ao distríbuir máscaras não conformes á legislação portuguesa, sem controlo de qualidade e entidade certificadora ( o IVBM ? ) , está a atentar contra a saúde pública na RAM, naquelas que são claramente não conformes ás regras e normas da DGS, UE e OMS.  Por isso, devia ser acusado, a polícia chamada, os responsáveis serem ouvidos pela justiça e condenados. Porque atentar contra a saúde pública é crime e este crime é punido com penas efectivas de prisão: mínima de 10 anos e máxima de 30 anos se existirem mortes.  ( clique aqui ) É o GR da Madeira criminoso ? Parece que sim. As provas estão aí. À vista de todos e em muitas das nossas casas. 

(OBS. porque será que no Madeira Medical Center e no Hospital privado pessoas com máscaras distribuídas pelo GR não entram ? )

Os testes ( ao Covid )

Também aqui nota-se um GR desfasado em atitude, sentido de responsabilidade e pior ainda com um aparente e forte sentido comissionista perante a desgraça alheia. Isto de ganhar um pouco de dinheiro, ter outra forma de receita é inovar (mal). E o GR tentou e parece, pelas palavras recentes de MA tentar fazer tal.

Começou o GR a pedir 150€ por teste a quem chegasse ao aeroporto, atirando o "barro à parede". Depois, porque a coisa não pegou, apenas para aqueles que não residiam na Madeira ( estrangeiros, turistas, madeirenses emigrados, .... ) e finalmente a “assumir” essa despesa para todos. 

Miguel Albuquerque 21 de Maio e 22 de Maio: diz que os testes serão inferiores a 150 € e que seria impossível fazer pagar tal aos residentes. Não sabemos se se refere para todos os que têm casa aqui, apenas quem resida efectivamente, tenha morada fiscal ….. Mas atenção, Miguel Albuquerque  NÃO exclui que se possa pagar. Se amanhã acordar mal disposto ou se for humilhado nas presidenciais com menos votos na Região que Marcelo, por exemplo, às tantas pagam todos, não 150 €, mas pode ser 149,99€.  Logo veremos. Porque aqui, quem manda são os madeirenses, vulgo ele. 

Eduardo Jesus 21 de Maio: A Madeira assume os custos de teste à chegada. 

Por isso, articulem-se se faz favor. Como não pensam, é tudo sobre o joelho, acontece isto. Mas o pior, são as contas.

Pedro Ramos no dia 22 de Maio: diz que o teste individual custa 139€ 
Miguel Albuquerque no dia 22 de Março: o GR vai adquirir por 2 000 000 € ( 2 milhões de euros ), 100 000 mil testes ( 20 € / teste ). Portanto o GR não só quer ser comissionista, mas pretende também ser gatuno, um usurário. Mais uma vez, pretendde usar debilidades alheias, neste caso por causa de uma pandemia, para ganhar dinheiro.

Já agora, os testes deveriam custar para o GR e para aquela quantidade, cerca de 8/10 € cada e se acrescentarmos a "mão de obra e outros gastos" não mais do que 12/13 €. É obra Pedro Ramos dizer que são 139€. Ainda vai querer que Lisboa pague a difrença, num modelo em tudo idêntico ao que o colega  Jesus descobriu tempos atrás para a mobilidade aérea. 

As dormidas ...

Diz o DN Madeira que as quarentenas já custaram mais de 1 000 000 €  (um milhão de euros ) em hotéis na Madeira. Ora bem, façamos de novo contas e tirem-se conclusões.

10 000 diárias serão 100 € /dia. Se forem 14 os dias de quarentena, dá para 714, 28 pessoas. Ou 1428 pessoas em 7 dias. 

20 000 diárias serão cerca de 50 € / dia, dá para 1 428,28 pessoas em 14 dias de quarentena. Ou cerca de 2 856,3 pessoas em 7 dias. 

Como não existiram 714,28 pessoas confinadas, muito menos 1 428,28 e como a maioria dos hotéis praticava já preços muitíssimos mais baixos dos que os 100 €, aqui está como o regime conseguiu ajudar os dependentes. Mostrando “bondade”, praticando maldade. Nunca dão ponto sem nó.


... e o desemprego

O DN também transcreveu, uma peça vinda da DRE sobre o desemprego. Tal como a RTP-M a leu. O jornalista que a fez não tem nome. Mas publicou no DN e foi lida na RTP-M. Mas o engraçado é que para órgãos de informação, a relevância, utilidade pública, objetividade, imparcialidade, verdade, precisão, confidencialidade (esta sim do autor)  desta peça não foram, por muita pena minha, observados. Aqueles principiozinhos básicos que qualquer órgão de informação deve prezar. Que deve ter em conta, excepto se no seu estatuto editorial desapareça a palavra independente e se coloque outra: dependente, tomar partido de.


Aliás, se estes órgãos de informação quisessem ser precisos, mesmo que não soubessem “ler” o que lhes foi colocado em mãos, bastava lembrarem-se do que Calado e Miguel Albuquerque referiram nem sequer à um mês. Mais de 7 000 desempregados na Região e o número continua a crescer. Ou então, tanto o DN ou a RTP-M que percebam do que falam e escrevem, olhem e vejam a realidade social da RAM. A das ruas, não a das “press-release” que lhe chegam ás mãos.  A RTP-M é normal nisto. Mas do DN -M não estava à espera que isto acontecesse. Por isso começamos nós logo a pensar em coisas....


A oposição
Mais uma vez, o PS-M acha que é na ALRM ou o que resta dela, que se combate o regime, este GR, este psd-M e o agora recente cão de fila, cds-M. Infelizmente ..... vozes de burros, não chegam aos céus. Ou talvez, o PS-M esteja a fazer e agir como Durão Barroso, quando disse que "seria primeiro ministro, não sabia era quando". Com Durão foi o pântano de Guterres. E com o PS-M, o JPP, o PCP-M  Esperam por Miguel Albuquetque e os tribunais ? O desgaste ? Costa ? um cds-M tornado CDS-M com medo de desaparecer em eleições antecipadas ?.... Mas senhores, é na mente das pessoas que esta guerra se trava. Nas ruas, de baixo para cima e não nos salões brilhantes mas escuros de uma ALRM de quem todos desconfiam. 

Dire Straits, money for nothing

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.