Desculpas e pontos nos iiiiii´s

Alô, liberdade. Desculpa eu vir assim sem avisar, mas já era tarde.
Eu tenho tanta alegria, adiada, abafada, quem dera gritar. E por fugir ao contrário, sinto-me duas vezes mais veloz vem,  mas vem sem fantasia. É sempre bom lembrar que um copo vazio esta cheio de ar, Chico Buarque
Começo este artigo pedindo desculpas. Não peço ao GR, que não merece pelas tropelias que tem feito, mas ás pessoas que nomeei no meu artigo passado, Intolerância, nomeadamente Natália Alexandre, Sónia Pereira e Lígia Faria. Peço desculpa, não pelo escrevi sobre o que elas escreveram sobre mim, mas por as ter nomeado e o respectivo nome. Podia ter escolhido outros, saíram o destas pessoas, que fizeram os comentários, talvez mas fáceis de mostrar. Adiante. 

Confesso que quando escrevi o artigo, estava irritado. Estava aborrecido e sobretudo furioso. Pelo que me chamaram, pelo que escreveram estas  e mais outras, por acharem que na RAM se devia contabilizar os casos do Covid-19, numa espécie de duelo tipo O.K. Corral. de quem abate mais, quem atira mais e quem tem mais infectados versus continente. Como dizem os antigos "Quem está há chuva, molha-se". E eu "molhei-me". Portanto, hoje escrevo a seco. 

Quando escrevo os meus textos sobre a RAM e os acontecimentos que aqui se passam, desde à  2\3 semanas fruto da forma como o GR está a liderar ( mal ) com esta situação, no conteúdo,forma e comunicação ( as entrevistas de PR e MA são uma forma interessante de se mostrar como não se deve comunicar, bem como as posições "musculadas" de MA e PC , á rufia, são hilariantes ) algumas pessoas, acham que estou ou entrei numa cruzada de: Eu (nós) que queremos o mal da Madeira ( e com quantos mais casos, melhor ), contra eles, aqueles que supostamente “defendem” a RAM: o GR que coitado, tem-feito-tudo-quanto-pode-e-se-não-faz-mais-é-porque-não-o-deixam,-nomeadamente-Lisboa,-continentais,-estrangeiros,- ... Nada disso. Apenas aponto erros ao GR. 

A teoria do povo superior, reapareceu. Nós somos melhores, temos menos casos e aqueles que temos, foram devido aos estrangeiros e aos continentais,.... e a todos aqueles que dizem mal da Madeira. 

Não é justo. Pela minha parte e de muitos outros. O que sempre aqui disse e reafirmo é que:

1) O GR foi apanhado desprevenido, apesar de dizer que estava tudo preparado (não foi o único)

2)  O GR não disse a verdade, no inicio, quando tentou esconder casos. Ainda hoje, 4 de Abril, vê-se a discrepância entre os números da DGS e os regionais ( hoje o GR diz não terem aumentado mas a DGS atribui à Madeira mais dois/três casos - Observador ).

3) As redes “ligadas” ao regime, começaram a pulular em teorias da conspiração e em números reais ou fictícios, inclusive criando casos de infectados com CC (cartão de cidadão) da Madeira ( que podiam estar na ou fora da Região ) e “last but not least” que na Região, os números até estavam em excesso, porque havia alguns infectados com o Covid-19 que tinham CC do continente e portanto, não deviam ser “contabilizados” ( ou contabilizdos á parte ). Tipo área 51 ou triângulo das Bermudas.

4) Finalmente porque estando ou não na Madeira, poucos mostraram interesse na sorte dos nossos que estão fora da região, tendo inclusivamente ouvido um vice-presidente referir que os que estão fora, deviam permanecer, porque vejam, SERIAM melhor tratados. O Governo Central a repatriar e PC a destratar. 

Por isso alguns escreveram na minha página, em posts e em mensagens privadas coisas como “morte aos continentais que são uns xulos”; “Madeira é mesmo SUPERIOR”. “os continentais queriam era agora vir para a Madeira!!!!”, “és um pedófilo de m….”, “ xulo…”, “vai-te embora c….”, “estás aqui a trabalhar para agência de informação do PS..” ( ahahahahahah ); “quando é que te pagam para fazeres este serviço de m….”; “estás ao serviço do Costa e dos que nos querem colonizar de novo”; “palhaço de m…”; “estás ao serviço de Marcelo e Costa” ( este vá lá que disse depois que vota em Marcelo…..) ; “ canalha….”; “enriqueceste com a Madeira e agora queres mais”; “ queres é que todos estejamos infectados”; ……e por aí fora. Existiram uns quantos que depressa desapareceram e com eles levaram tudo o que tinham escrito. Entre perfis falsos e verdadeiros, com cenas à mistura com costas, rosês, ricardos, nunos, …. 

Fui criticado e muito bem, por amigos que ou não se reveram no artigo, ou na forma como foi construído, nas palavras utilizadas. Uns com opinião favorável, outros mais negativa e outros com conselhos.  A critica quando é feita de forma construtiva, é um bem. Porque de "yes-man" está a Região cheia. O artigo saiu. Acredito que não tenha sido o mais feliz escrito por mim, mas a verdade incómoda está lá. Daí as reacções. 

O que escrevi, perturbou. E só fica perturbado quem acha, mesmo que seja lá no fundo ou por instinto, que afinal existe razão naquilo que coloquei em escrita. Ponto.

Se quisermos comparar, comparemos realidades parecidas e façamos daí rácios. A Madeira não é o continente português. Nem em dimensão, nem em população. Não se pode pois comparar a Madeira, 801 Km2, 220 000 habitantes e apenas com 3 pontos de acesso ( aeroporto, porto de cruzeiros e porto comercial ), com o continente português, 92 256 km2, 10 500 000 de habitantes, múltiplos pontos de acesso. Para confrontar, teríamos é de comparar a Madeira com um concelho do continente, por exemplo a Maia, Sintra, Alcochete, Tondela, Castelo Branco, Vila Real Sto. António, Ílhavo, Viseu, Aveiro….. com as mesmas dimensões ou número de habitantes. Nem colocaria Lisboa ou Porto, Estoril, Amadora, Oeiras, ….  Ou então confrontava um dos concelhos da nossa Região, com uma das freguesias destes concelhos. E depois ver os rácios de infectados. 

Mas não é isto que se pretende. Comparar rácios. E quem o faz, está a ser tonto, palerma. Eu não o fiz. Critiquei foi a contagem ( ou a ausência ) e as discrepâncias. Porque como é sabido, tarde ou cedo a realidade aparece. Critiquei e critico a forma como o GR depressa criou um inimigo, como passa culpas do que não correu bem.

Sejamos francos, nada poderia correr bem, em plena guerra "médica" do SESARAM ( ou já foi esquecida !!!! ). Porque naturalmente os esforços e a atenção desviaram-se. O inimigo aproximava-se, aquela coisa escura, letal e o SESARAM e a saúde na Madeira em guerras territoriais de boys laranjas. 

Nós madeirenses ( digo nós porque como já aqui disse nasci numa ex-colónia, como por exemplo Cunha Vaz,  que tal como eu tem a Madeira no coração ) não somos superiores aos Alentejanos, Beirões, Transmontanos, Algarvios, Açorianos, Alfacinhas, Tripeiros …….. Somos exactamente iguais apenas com pronuncia diferente. É isso que torna a Nação grande. E por isso, mais uma vez estamos a dar uma lição na Europa. Os Espanhóis já dizem que a Península Ibérica devia ser governada por Lisboa e os franceses escrevem isto. Pior cego, é aquele que não quer ver. Mas atenção, ainda estamos no inicio e se uma primeira batalha foi ganha, a guerra não terminou e vai continuar.

Poucos leram o que escrevi a 31 de Março, na minha página. Que estamos bem, para já, com indicadores de infectados muito abaixo dos Europeus, nomeadamente espanhóis, italianos, franceses, britânicos, ..... Pode ser porque estamos na ponta da Europa, menos acessos, como alguns defendem ( alô Madeira ), como também pode ser porque o povo português foi cauteloso e ouviu melhor os avisos do que aí vinha e actuou em grupo solidário, como nação grande que somos..
Homem superior é aquele que começa por pôr em prática as suas palavras e em seguida fala de acordo com as suas acções, Confúcio
Se alguém na Madeira se acha superior, paciência. É maluco. É tonto. Embarca na filosofia do regime ( AJJ primeiro ) e retomada por MA e companhia, a do povo superior, que afinal apenas se traduz em achar-se que nós madeirenses à força de utilizarmos a palavra superior, o seremos. Quem diz isto e o repete "ad nauseum" em conversa, nas redes sociais, em telejornais, jornais, nos argumentos... apenas mostra que é inferior. Repete a palavra superior, tantas vezes que acredita que por osmose vai ser ou é  superior. Temos pena, não é assim que as coisas funcionam. Somos iguais.

Esta "maluqueira" apenas faz com que continentais e Açorianos se comecem a chatear ( porque temos que lhes dar dinheiro e porque os temos de aturar ? , aquilo que se ouvia quando a crise nos bateu à porta, quando AJJ deixou de ser um patusco para ser um "chulo", "gatuno"....e nós a levar por tabela). Isto cria fissuras no todo nacional. Como criou nos hóspedes que estavam aqui e foram desrespeitados. Insultados. Queremos o dinheiro deles, mas insultamo-los. Está mal. 

As medidas que o GR tomou actualmente e as verbas que diz que vai usar, apenas o são porque a república e Marcelo Rebelo de Sousa, via Irineu Barreto, o permitem. O GR nesta altura como noutras, não manda na policia, nem nos militares, nem na TAP, nem na ANA , ….. zero. E o dinheiro, como todos sabemos, só é possível aparecer agora numa região falida (porque não apareceu antes ?) porque a República deu o seu aval, a sua solidariedade ( tinha que ser ) a todo o País, sem excepção. 

A Madeira tem apenas um pequeno (grande) problema: é que as suas contas já tinham um défice gigantesco, enquanto outras regiões portuguesas, como é o caso dos Açores, não. Por isso, vamos daqui a uns largos meses pagar uma dívida maior. A antiga do PAEF que se estava a pagar com dificuldades e a nova. Porque como se diz "os almoços nunca são grátis". Portugal vai ficar mais endividado, continente e regiões autónomas. Mas a Madeira terá por certo uma dívida superior per capita, ao continente português e Açores (a não ser que seja perdoada de novo). Mas esse foi um problema criado pelos sucessivos GR´s. Não pela República, que infelizmente teve de por mãos nisto, porque a divida criada pelo GR era insustentável. Não nos esqueçamos que a República Portuguesa perdoou uma divida Madeirense de cerca 4 000 0000 000€ e que em 12 anos, do zero, ela foi parar aos 11 000 000 000 €. Com estes GR´s.

Observações:

1) Uma agência de viagens em Boulogne, tinha lá uns programas de e para a Madeira. Recentemente, retirou-os. Substituiu-os por outros destinos, europeus e extra-europeus. Também aconteceu numa outra agência de viagens em que passo frequentemente ( ambas agências estão parcialmente fechadas). Outras oportunidades ? Sinal que o destino Madeira aguardará por outros dias ? ( mantêm ambas um programa de visitas no Douro e o Algarve ), Ou será que, como saiu no "The Sun" o GR e os madeirenses "trataram" mal uns coitados de britânicos e holandeses que estavam na ilha ? O boca - boca é muito forte. E a Madeira, não se esqueça, vive do Turismo. ( o resto .... é apenas um roulement de criação de gastos a pagar para os do costume. As mesmas cantigas de sempre).

2) Ramalho Eanes teve uma entrevista que caiu bem na opinião publica. Existem lá laivos do militar corajoso que foi. Mas este Ramalho Eanes, muito mais polido, não é o mesmo que tentou dar cabo de Sá Carneiro e Freitas do Amaral, que criou aqueles governos provisórios, que "guerreou" Soares e fundou o PRD. Nem o mesmo que com outros fez o 25 de Novembro. Hoje, muitos dos que agora o louvaram ( da esquerda é direita ), também antes o criticaram e bastante ( a esquerda pelo 25 Novembro, a direita por ter feito a vida negra a Sá Carneiro / Freitas do Amaral e muitos socialistas por Soares ). Pois é ... it´s a life; c´est la vie.


In memorian, Bill Withers, 

Just the two of us

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.