RAM falida. As nódoas. O tira-nódoas ? parte II

Num sistema hierárquico, todo o funcionário tende a ser promovido até ao seu nível de incompetência, L.J. Pier
Do artigo anterior, "RAM falida. O princípio era a dívida. parte I " ficamos com este número: 

9 467 500 000 € "desaparecidos" em 17 anos
( nove mil e quinhentos milhões de euros ).
Numa região que em 2002 não tinha dívida, perdoada por António Guterres e em 17 anos arranjou 
7 000 000 000 € de dívida ( oficial ) 

O Espírito dos "corpos". Os outros que paguem.
( baseado em factos verídicos )

Uns 6/7 anos atrás no princípio de um Verão, a novel presidente de um Instituto, fez uma viagem a Lisboa, numa 5ª feira, com regresso num Domingo, porque não “havia” passagens de regresso, só muito tarde !!! na 6ªfeira e na 5ª a(s) reunião(ões) poderiam demorar.

O estranho é terem, ela e o vogal, ido no voo do meio da manhã. Mas devem ter pensado que apanhando ventos favoráveis e com o fuso horário ( ? ) chegariam a Lisboa, antes de terem partido do Funchal, talvez. Enganaram-se. Chegaram tarde, deu para o almoço, conhecerem o familiar a residir/estudar/trabalhar/ com subsidio estudante da RAM /cartão laranja e jota. de um deles e passearam-se num organismo, parecido com o deles, mas da República.

Depois do “passa bens”, de se apresentarem, já era hora de irem ao banco. Afinal era por isso, que fizeram tamanha viagem, aventura. E com o Banco com uma direção no Funchal, porque quiseram ir a Lisboa ? Porque sim ….apenas.

Antes de avançarmos, outra chamada de atenção. Como a presidenta teve de ficar por “obrigação” até Domingo, o Instituto pagou a viagem e estadia dos "rebentos", que foram a Lisboa e com o Pai nessa 5ª feira ( este, vá lá, pagou a viagem do seu bolso ), mas todos ficaram no hotel de 4/5 estrelas, ali no centro de Lisboa,, porque nada como a Região para proteger a unidade e harmonia familiares. Um carro foi preciso, porque andar de transportes, mesmo táxi ficava mais caro, mais chato e daí ter alugado um de categoria média/alta, no caso um Audi.  As contas maquilhadas, apareceram no Instituto, inclusive as referentes de representação (espetáculo para os rebentos, Oceanário, Zoo, ……. roupas, restaurante na Expo, Bairro Alto…  ). Aliás nos serviços, comentava-se o valor de uma refeição de cerca 110 € num restaurante em voga no Bairro Alto, sábado à noite. O vogal, teve direito a quase o mesmo, mas apenas estava acompanhado com a respetiva … namorada, amiga intima. O Instituto pagou, porque amiga intima e filhos/marido davam apoio emocional ( está hoje na moda ). Na 6ª feira, visitou, a presidenta, segundo conta da refeição, o Vasco da Gama, as Docas à noite ali ao lado do Tejo, também em trabalho, o Colombo ficou para sábado e à noite, no Bairro Alto, houve tempo para jantar ouvindo fado.
A democracia muitas vezes significa o poder nas mãos de uma maioria incompetente, George Bernard Shaw
Mas, voltemos ao trabalho. Ufaaaaaa. O engraçado da história, é que esta novel presidenta e quem a acompanhava, o vogal. precisavam de falar, já adivinharam, com......nada. Mas arranjaram motivo, para ir ao banco a Lisboa. É que achavam que em Lisboa os juros faziam-se mais baixos que no Funchal ( custos de insularidade, talvez ).  Foram a um banco que já trabalhava com aquele Instituto a muito tempo. 

Esta presidenta, foi ao banco "falar" em muito e em nada. Apenas "apatetou". Parece que ficou-se ( e o vogal) a falar com interlocutores menores e como julgava estar a ser recebida por algum "filho de algo", puxou da voz e falou em valores, no dinheiro que precisava para fazer os projetos que ambiciona, talvez montar umas casitas, um arruamento ..... os juros altos que tinha de pagar, enfim tinha de dizer algo.

Tudo piorou quando a Senhora “espirituosa” como nunca soube ser, a uma questão fulcral, quem e como se pagaria aquele dinheiro, outro empréstimo, respondeu “ihihihihih ….eu é que não vou ser”. Claro. Do outro lado silêncio, estupefação e rótulo de burros, imbecis, patetas e ignorantes para aquele par de inúteis, ..... E com a mão na massa, lá fizeram um acordo a uma taxa normal 1,7% superior aquela que tinham no,,,,, Funchal, porque quem os recebeu, nada sabia desse acordo nem queria saber. Tinha algo para vender e uns patetas que se puseram a jeito. E pronto. Mais tarde, quando deram  com a "tontice", a....culpa foi de Lisboa que como torpe que era, queria "explorar" o povo Madeirense.

Em resumo, nada fez, gozou a estadia, dizem que durante o seu consulado fazia uma  média deste tipo viagens/estadias em cada 2/3/4  meses, conforme necessidades...pessoais. Como "chica-esperta", como os colegas ( dela e outros do GR.... ) também usava e abusava "da queda" para as viagens de trabalho no inicio das férias, voltando no final delas ( e poupando uma viagem aos seus bolsos ). Parece que é uma "queda" notada e de uso "normal" no GR, chefias, ..... O engraçado, é que ela nos seus assuntos particulares e o pai dela, quando tocava ao que lhe deviam, sobretudo também quando ajudavam as campanhas do psd-M, faziam sempre contas de somar e nada saía sem retorno.. Naquela casa, a dela e do pai, ela foi renovada e o pai ficou-se pelos antigos, antes de..... ser renovado. Familia "oblige". 

Esta história real, repito, demonstra a falência total da ética e moral da glande maioria dos dirigentes da administração pública da RAM, GR incluído, bem como da sua total incompetência profissional e mesmo pessoal. É com isto que lidamos, estamos a lidar e se não mudarmos....vamos continuar a lidar.
O honesto é pobre, o ocioso triunfa,o incompetente manda, Gregório Matos
O perfil típico dos perfeitos idiotas inúteis, que pululam em cerca de 60% da Função pública do GR da Madeira e em quase 90% das chefias, sub-chefias, sub-sub-chefias, sub-sub-sub ……, assessores, assessores de assessores, consultores, assessores de consultores……

Vigora o espírito do mercado dos lavradores: preciso de umas couves e venho com batatas, morangos, ananases, bananas, carne, peixe e ….. nada de couves, compra-se quando se vai para casa. Não se paga, fica tudo no rol do comerciante, que ele amanhã, vai exigir fazer um caminho, ter um barco, criar um hostel ..... uma venda ou um tasco e só para começar. 

Foi. é, este o espírito que impera no atual e anteriores GR´s. O da incompetência. Contas não se fazem, ou são apenas de gastar. Afinal o dinheiro está ali à mão de semear e não custa mesmo nada a gastar. Exceto o deles, o que está nas respetivas contas bancárias. Aí a “porca já torce o rabo”.

O que vale o GR da Madeira.

A imagem demonstra o que vale o GR e podemos "vê-lo" "clicando" aqui,  Junto um pequeno quadro, para quem não tiver "pachorra", que mostra apenas alguns organismos inúteis, criados para os amigos, para os votos, gastar dinheiro, criar dívidas ....

GR
Organismos
Públicos
Semi-públicos
Empresas SA de capital público
Direções regionais....
Institutos......
Em média cerca de 5 por secretaria e com uma média de 7 000 funcionários 
Vinho e bordados,
Habitação,
Polo cientifico,
Conservatório,
Agência de investigação
IAS, Madeira
Serviço Proteção Civil
Associação Promoção (*)
Instituto emprego ( *** )
Serviço Igualdade género
Instituto Florestas….
Centro Abate …..

(**)
Parques industriais,
SD´s .....
Horários Funchal
IHM
Águas e Resíduos da Madeira, SA
( *** )


( * ) o que faz "esta coisa" que nem coordenação faz
( ** ) e muitos, muitos, muitíssimos mais 
( *** ) que também faz o papel de concertação e acerta trocas de "empregabilidade" na RAM. Mudando pessoas de lugar e empresa, possibilitndo contratos de trabalho de curta duração e dando alguns subsidios entre empregos, relembrando nas alturas certas ......quem dá e onde votar.
(****) no organograma do GR a Sec Reg de Pescas não tem “nenhum ”organismo que superintenda, nem a Vice-Presidência !!!! e a Presidência, situação caricata porque sabemos que os Cuidados-Continuados estão sob alçada da Vice-presidência, bem como Porto-Santo, Portos; a comunicação está com a Presidência e faltam, a EEM; Portos da Madeira; a HSF, holandesa e irmã ( na captação de empréstimos e dívidas para a Região ), o CINM……. O jogo do esconde esconde ou são tantos que não cabem ali ?
O poder só traz desgraça nas mãos de seres incompetentes, Hunter & Hunter
Não existem registos públicos, dos inúmeros organismos, dependentes do GR, muitos escondidos, como as sociedades financeiras criadas e sediadas na Holanda, que captavam dinheiro e onde agora se escondem dívidas.... ( podem algumas serem "vistas" fazendo uma visita ao site do Banco da Holanda e organismos de controle de mercado ) e outras que oficialmente não existem, sabendo-se apenas que sim, pela leitura dos reports financeiros enfadonhos, das sociedades holandesas ( não possuo links apenas resmas de papel )..  
A sorte é sempre o último refúgio de preguiça e da incompetência, James C. Penney
Estes organismos, não acabam aqui. Qual polvo, debaixo destas entidades, sobrevivem e existem muitas outras, mais visíveis, mas bastante estranhas. Veja-se o caso do IAS,onde cabem o Hospital Nélio Mendonça, SA; os transportes de doentes, ......
Igualmente, não esquecer muitos outros, como são por exemplo as casas do povo; organizações tipo  Lar da Bela Vista que tem 5 administradores; LREC ( que paga/recolhe estudos para análise ao laboratório da AFA, para obras que a AFA realiza )…. e muitos outros “escondidos”, mas que estão plasmados nos OR´s que referi no meu artigo anterior, muito deles em iniciais ( outros nem isso e por isso vão todos para uma rubrica ….vou chamá-la OUTROS ENCARGOS, porque é só isso que trazem ).

Todos estes organismos, têm sempre uma administração constituída por 3 a 5 membros, entre efetivos ( com 2 suplentes ) mas onde todos, mesmo todos são remunerados segundo as tabelas em vigor para o Estado português (um presidente de CA pode ir aos 7000/9 000 € + regalias, vogais a 5 000/7 000 + regalias, ……. ) , os diretores regionais nos 5 000 € +regalias ……
Estimemos que o conjunto destas entidades, superam as 150 e que só os gabinetes de apoio das respetivas administrações, entre motoristas atribuídos, secretárias, apoio, …… superam as 15  pessoas .
Teremos 150 x 5 ( administradores/vogais ) = 750 e 150 (organismos ) x 15 ( apoio ) = 2 550 pessoas.
Faltam os carros: 150 x 3 ( carros em média ) = 450 carros
Faltam as viagens ( porque é preciso “estudar” ) : 150 x 5 ( viagens em média Lisboa/outros ) = 750
Faltam também as estadias: 750 ( viagens )  x 4 ( dias estadia em média ) = 3 000 ( dias de estadia )
Destino é para os perdedores. É só uma desculpa idiota para esperar que as coisas aconteçam ao invés de fazê-las acontecer, Blair Wardolf
Quanto custa isto tudo ? No meu artigo "Falemos economês, sumidês, Parte I - O exemplo" referi que SÓ os conselhos de administração, gerência destas "coisas", apenas as visíveis, custariam cerca de 464 800 € por ano.

Vejamos então ( números no minímo ):

               Administração              
               Administração /gerência = 464 800/ano € ( já com impostos )
               Entidades ( as visíveis ): 150 organismos * 464 8000 €  = 69 720 000 €/ano
               Total 17 anos teremos: 17 * 69 720 000 € = 1 185 240 000 €

               Apoio gabinetes ( 15 pessoas )
               15 * 2 500 € ( média ordenados ) = 37 500 € / ano
               23% impostos pagos por estes organismos ao estado/trabalhador: 8 625 €
               Total mês =  37 500 € + 8 625 € = 46 125 €
               Total ano: 14  ( 12 meses, sub ferias e sub natal  ) * 46 125 € = 645 750 €
               Total 17 anos = 17 * 645 750 € * 150 organismos = 1 646 662 500 €  

                Carros ( valores por baixo, por ano e por carro )
                Assumir leasings, factorings sejam 12 * 3 000 ( 1 000 €/ carro )  = 36 000 €
                Manutenção:1 500 € ano/carro, o que dá: 1 500 € *12 = 36 000 € 
                Combustível: 150 €/mês/carro o que dá por ano: 150 € *12 = 1 800 €
                Para 450 viaturas seriam em 17 anos
                Factorings...: 36 000  €/ano  * 450 veículos * 17 anos = 275 400 000 €
                Manutenção: 36 000 €/ano * 450 veículos * 17 anos = 275 000 000 €
                Combustível: 1 800 €/ano*450 veículos * 17 anos = 13 770 000 €
                Total 17 anos  275 000 000 € + 275 000 000 € + 13 770 000 = 563 770 000 €

                 Viagens / estadias / 17 anos
                 ( Estimemos que são apenas 5% do ordenado dos CA´s e/ou gerência )
                 Total 17 anos: 82 333 125 € 

TOTAL CUSTO GABINETES DESTAS "COISAS" EM 17 ANOS: 
3 477 935 825 € ( regalias não incluídas ) 
Vencedores constroem pontes. Perdedores, paredes, Frank Underwood
Estes organismos produziram algo de valor ? Isto é, a sua existência trouxe mais valias para a Região ? Quase nada, quase zero. Atentem a este exemplo, parecido com o de cima: 


Comentário a uma publicação no Facebook, dos Portos na Madeira  feita pelo ex-assessor de imprensa da Quinta Vigia. É angustiante e ficamos a saber a quem estamos/estivemos entregues. Carlos Vares, já tinha chamado a atenção para esta situação em artigo no DN e foi ...."crucificado". "saem as comadres....)

Claro que aquelas entidades têm trabalhadores, também chefes, mini-chefes e ...aqueles que trabalham e ganham pouquíssimo. De barato, não vou contar com esses valores ( uma ajuda ao GR ) porque uns, ganharam com o esforço do seu trabalho, mas muitos  ganharam, sem trabalhar e mesmo apesar do esforço de outros.
 Os perdedores, assim como os autodidatas, sempre têm conhecimentos mais vastos que os vencedores, e quem quiser vencer deverá saber uma única coisa e não perder tempo sabendo todas, o prazer da erudição é reservado aos perdedores, Humberto Eco
Não podemos esquecer dos contratos de assessoria, consultadoria com sociedades financeiras, de advocacia, de projetistas, de auditoria que estes GR´s durante estes 17 anos fizeram, na sua maioria impunemente ( adjudicação direta e para fugir á regra concursal, em partes por limite máximo ).
Foram cerca de 897 600 000 € em 17 anos 

a uma média de 53 000 000 € / ano ( isto se os registos dos OR´s estão certos e também o JORAM, que mostra, o que os OR´s não mostram e NINGUÉM FEZ ESTAS COMPARACÕES ) . Quem ganhou com isto ? Firmas, como é o exemplo das Oreys falidas ( sem o GR faliram ) , outras parecidas e algumas em que por coincidência colaboraram e para onde foram colaborar,  alguns dos nossos ex, atuais e futuros funcionários públicos de TOP e sem TOPES e governantes.

Quem paga estas nódoas ?

Obviamente paga o povo , via GR. Porque o dinheiro que o GR não consegue gerir e ainda cria por cima mais divida, é DO POVO.

Portanto, direta ou indiretamente o GR, isto é nós, pagamos isto tudo e as dívidas que criam. É que sabem, um pequeno segredo, estas “coisas” não criam RECEITAS e as pouquíssimas que criam, nem para pagar gastos de serviços ( rendas, agua, ….. ) têm dinheiro ( não falemos para já na EEM ). Nºao vamos já, porque tem de haver espaço e tempo, em falar no potencial novel negócio ruinoso para os cofres da Regiao, o da compra /recompra ou .... totoloto para o Grupo Pestana, com a compra da SDM pelo GR. 
Vencedores e perdedores cobiçam a vitória. A diferença destes não está no objetivo, mas sim nas condutas, Clauswitz
Uma estatística que este e outros GR´s nunca mostraram ou nunca quiseram que soubéssemos, é que a Madeira tem cerca de 90 000 “trabalhadores activos” e destes quase 60 000 trabalham para o GR, direta ou indiretamente ( naquelas coisas ). Pior, destes quase 60 000, mais de 30 000 são chefes, sub-chefes, ….. assessores, consultores, fotógrafos, ……. ganham muito e fazendo pouco ou nenhum.

E dos 30 000 que sobram, cerca de 15 000, são trabalhadores das empresas do regime, AFA´s, Sousas, Valleys, ..... Esta Região aguenta isto tudo? Não, é demasiado pequena para dar tanto a tantos. Parafraseando Churchill, "nunca tão poucos comeram tanto, á custa de tantos". 

Claro que aqui NÃO coloquei os gabinetes dos sec. Regionais, os da vice-presidência e Presidência. Num aparte, sabem que o gabinete da Vice-presidência tem quase tantos assessores, consultores que a Presidência da República? e esta ainda tem assessores militares e de segurança.  Miguel Albuquerque tem 3 motoristas, tal como Pedro Calado. o Presidente da República tem … 3. Ahhh e o PR desloca-se bastas vezes em carro próprio. E se juntarmos estes custos, durante 17 anos, dos muito inúteis e esbanjadores que fizeram parte dos GR´s, teremos, meus amigos e se os dados JORAM, OR´s, não enganaram, nestes 17 anos

2 183 600 000 € ( inclui viagens e estadias ) 

Faltam os quase 1 100 000 000 € em obras não concluídas, multas, indemnizações, juros por empréstimos a curto prazo ( existiram no ano passado a 4,1 % ) apoios indevidos, excessivos, perdões de taxas, impostos reduzidos ou perdoados, ...
Se você pensa que lutar é mais importante que vencer, parabéns! será sempre o 1° dos perdedores!, Mayke Franz
E os Tira-nódoas, porque não funcionam ?


Então porque não se fecha isto ? Por várias razões, sendo as mais importantes estas:


1) se fecharem, tem o GR de pagar à banca ( porque deu garantias reais nos empréstimos que estas "coisas" pediram  )

2) porque não tem dinheiro para as fechar ( fica mais "barato" continuarem, chama-se a isto a lei do empurra com a barriga )

3) para colocar os imprestáveis, aqueles que nada fizeram/fazem, mas que ajudam a baixar a taxa de desemprego da Região e ganhar as eleições.

Em resumo, estas entidades todas custaram aos cofres da Região em 17 anos, qualquer coisa como isto: 


6 559 135 825 €

A pergunta que se coloca é esta: Fizeram por ganhar aquele dinheiro ? Produziram para ganhar os seus ordenados e o resto ? E gastaram-no bem ? Porque não houve poupanças ? Tentaram fazer-se ? É que se se poupassem 20% deste valor, o que não seria difícil, dado vermos sistematicamente por parte do GR e administração pública, gastos inúteis, contratos mal realizados, indemnizações a serem pagas e mais, mais, mais, organismos, entidades a serem criadas, a sobreporem-se, a dar-se trabalho e bem remunerado a condenados pelos sucessivos tribunais, desde o de contas, ... seriam 
Lembre-se de que os vencedores fazem aquilo que os perdedores não querem fazer, Jackson Brown Jr
1 311 827 165 € (de poupanças)

Dava para fazer 1 hospital central, 1 aeroporto, 1 porto e gare marítima a sério e sobrava   

Mas para além daquelas entidades, vamos chamá-las de “estatais” , existem outras, as privadas, que são subsidio-dependentes. Aquelas que ganham,  criam prejuízos e fazem  os GR´s pagar, pela proximidade de decisões. Estão naquele ponto, onde não sabemos onde acaba o público e começa o privado e vice-versa. No próximo artigo.


Porque existem muitas paredes para serem quebradas na Região

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.