A gente ou vós, The Flame Boy.

  "Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão, Eça de Queirós
"Não há nada tão ilusório como a extensão de uma celebridade; parece às vezes que uma reputação chega até aos confins de um reino - quando na realidade ela escassamente passa das últimas casas de um bairro, Eça de Queirós"
João Paulo Marques (JPM ), Jhonny Player Medicines para outros, anunciou que não se iria recandidatar a deputado. Muda-se, como Eça aconselha em cima. Ficamos nós, a ALRM e o grupo parlamentar do PSD-M mais ricos em espírito, exceto se outro, como ele o substituir, o que normalmente o PSD-M faz, sem dificuldade, porque Pobres. Simplórios Desinformados, sobre a Madeira, têm muito. Uns para enriquecer rápido; outros para se licenciarem em patifarias e outros ainda, para serem formados em tropelias. Tudo PELO, SOBRE e DOMÍNIO da MADEIRA.

Haja esperança. Como Rodrigues, tal como o “miúdo” Melin (ou Merlin ?) da apanha dos bichos parece que ficam, nem tudo ficará mal, porque existirá sempre quórum, em névoa mental, boçalidade, simplicidade naquele grupo parlamentar.

Uma chamada de atenção: o JM não!!! fotografou a miudagem da Jota, nas pegas de cernelha a gatos, cães, "baigotas", ratos, sardaniscas ….. Uma prova de inflexão à "la PS-M ?". Os sócios do JM sabem, que nesta altura e dada a dívida, convém estarem com “anjos e demónios”. (laranja ou rosa, vale tudo para manterem o pasquim). Por isso, nada como jogarem em todos os campos, não vá ”O diabo vestir-se de Prada”(1). Se o PSD-M ganha, lá está o Luís; se for o PS-M, lá está a mulher do sócio do Luís. Um bloco central de interesses no JM, quem diria !
"A imprensa é composta de três ordens de periódicos: os noticiosos, os políticos e os dos interesses, Eça de Queirós“
Ainda estou a vê-lo, JPM, numa foto, com mais “miúdos”, um deles a fazer de ramos para a sombra (  sol ia alto) á frente do Hospital. Eram as  "As aventuras dos Cinco". Naquele caso, "Os cinco no hospital". Hoje, como um dos Cinco deixou-nos, restam-nos as fotos para memória futura, que o pasquim do Regime gostava tanto de tirar e que hoje, talvez já não fossem possíveis, porque começa a infletir, para a esquerda da direita ( para AJJ, o PSD-M era a esquerda da esquerda), porque (o)a outr(o)a don(o)a “oblige”. Fica-se agora com o Insular, o jornal, não a farinha ( porque tudo é do mesmo saco ). 
 "Este governo não cairá porque não é um edifício, sairá com benzina  porque é uma nódoa, Eça de Queirós"
Dada a infinita capacidade de malabarista a que JPM nos habituou, ficamos a perder um artista e quiçá ganhar um chefe  “tachista” multi nódoa. Desde a saúde, até ás lapas, JPM sabe e perora de tudo.  Ne sutor ultra crepidam” (2), diria a JPM.  Mas estou certo de que de Latim, o pouco que sabe já esqueceu, tendo sido substituído por “flamez” ( já lá irei ).

JPM num artigo no DN-M, “Eles ou nós, voltou a escrever das suas. Parece um jotita da Flama, de tal forma se atira ao Continente, local onde aprendeu a ser “doutor em leis”. Deixa de ser JPM, Johnny Player Medicines, passa a ser “ The flame boy”. E se não parar por aqui, de flamaziata a flamazita, ainda o vemos com bombitas nas mãos como os antigos do regime, ou mesmo independista a sério. 

Critiquei várias vezes, JPM pelas suas posturas e pela abrangência ignara, dos seus escritos. Um professor dizia-me que “todos nós nascemos incendiários, mas morremos bombeiros”. JPM ainda está na fase de brincar com os fósforos e como o Natal chegou mais cedo á Madeira, se faz favor, dêem-lhe uma mangueira ou outro brinquedo qualquer para manter as mãos …ocupadas. Pode ser mesmo uma boneca … porque brincar com fósforos pode aleijar.

The flame boy, no seu artigo, atira-se de novo ao Continente. LISBOA  QUIS-NOS MATAR Á FOME com a farinha !!!! LISBOA QUIS DOMINAR A produção de leite !!!! ( de que e quais vacas ? ). LISBOA MANDOU 2 (DUAS ) VEZES TROPAS para nos subjugar (  não conta a tripulação de Gonçalo Zarco ) .

A ignorância de “the flame boy” é vastíssima. Não conhece o país e muito menos a Madeira. Um conselho, faça uma leitura à obra de “Célia Reis – A Revolta da Madeira e Açores”, tal como uma leitura á génese do Orçamento de Estado de 1931/1932, corte na despesa de 7,8% e o decreto 19 273. Era Salazar ministro das finanças e reparará que afinal a Madeira NÃO foi única região do país onde a  restrição à venda de produtos cerealíferos aconteceu. A Madeira e Açores tiveram sorte por terem Governadores Civis, na Madeira. o Coronel José Maria de Freitas ( por acaso continental, como Zarco e não confundir com José Vicente de Freitas, nascido na Calheta e presidente da CML), que foram contrários a estas medidas. E agiram, coisa que The Flame boy, nunca fez, nem o Regime que defende. Apenas se lamentam, abastardam em trafulhices e culpam os outro ( e sim de orçamentos estamos conversados, nop, para The Flame Boy e todos os amigos )

“A ciência de governar é neste país uma habilidade, uma rotina de acaso, diversamente influenciada pela inveja, pela intriga, pela vaidade, pela frivolidade e pelo interesse, Eça de Queirós”

Outras pérolas de “The flame boy” no artigo

“A partir do 25 de Abril, ou pouco tempo depois, passámos a ser nós a decidir o futuro da nossa terra.” 

Lá está, JPM precisa de férias, é que AJJ e agora o re, re, renovado MA dizem que precisam de mais autonomia. E já se percebeu onde o PSD-M levou-nos no pós 25 de Abril:
a) 70 meses ininterruptos de crescimento económico descendente;
b) listas de espera estáticas/dinâmicas nos hospitais;
c) camas de cuidados continuados pagas a 3 750€/mês/cama para uns, para outros 2,100 €;
d) taxas de ocupação hoteleiras elevadas medianamente;
e) desemprego a baixar nos superiores do povo, dado os anúncios recentes do JORAM e baixando a subir nos inferiores do povo;
f) taxa de pobreza superiormente a crescer;
g) aviões espanhóis de turistas a sobrevoarem a Região;
h) inúmeros paquetes previstos para escalar a Região em 2022; 
i) monopólios inovadores, nos superiores do povo, em todas áreas económicas, agora também nos cuidados continuados;
j) arguido(a)s, condenados, candidatos à ALRM e a presidir à dita cuja;
k) multas e coimas a serem pagas pelo Vice Calado e Presidente Albuquerque;
l) a não observância das decisões dos tribunais ...
m) mais médicos na Região ( aos existentes somam-se os que fazem Turismo ), ... e podia-se continuar. Enfim, um horror 

"Ordinariamente todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção, nem o instinto político, nem a experiência que faz o Estadista. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidades e por interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência? Eça de Queirós“
OBS: The Flame Boy, substitua na citação, Portugal por Madeira e reconhecerá semelhanças numa ilha perto de si. 

“Levámos estrada, onde antes a mesma não chegava, levámos água, onde antes não havia, e levámos electricidade, onde antes se estudava à luz do candeeiro.

Patético. JPM é mesmo é míope, estulto, crespo, fátuo….. ou mesmo inepto . Quantas é que se fizeram por causa da casa do Sr. Presidente da Junta ? ou do primo do cunhado …. JPM é um IGNORANTE. O Continente português era IGUAL  exceto nos grandes centros. Eu em 1976, vivia numa zona, Caramulo onde só a rua principal tinha luz eléctrica !!!!!!! e não se tinha o TURISMO de que o PSD-M, deu cabo na Madeira, E em 80% do território interior  continental, era assim. A Madeira ainda tinha o turismo, como o Algarve, Sintra, Estoril, Cascais ….. Mas este "doutor em leis" tirado no Continente, não deve saber disso. Passou por lá e história de Portugal não aprendeu.  Sabe sim a do Chão de Lagoa e ....basta, para ser um iluminado.

"Mas eles insistem e, embora já não enviem militares, estão mais obcecados que nunca".

O resto do artigo deste incendiário, deste ignorante, é estrume. Chamo Eça de Queiroz para me ajudar a qualificar The Flame Boy . Dizia Eça, que os Portugueses  "só são idiotas quando chegam à idade da razão, porque quando pequeninos, são génios”. Com JPM, é o inverso. Façamos votos, que chegue depressa á idade da razão, não para ser génio, mas para ser ...banal.

The flame boy, quer a independência da Madeira, como pretendia a Flama ? Então diga-o ás claras. Ele e todos os outros paspalhos, trapalhões, inúteis, patuscos e pataratas que clamam por mais autonomia. Agora, quererem criar clivagens artificiais entre Portugueses é que não. JPM e seus ascendentes e descendentes do PSD-M pouco fizeram pela Madeira, apenas usaram-na para os seus fins pessoais. Fizeram alguma coisa? Fizeram! Mas delapidaram Dez MIL VEZES MAIS do que criaram, bastas vezes mal. Como COBARDES que são, a culpa é sempre dos outros. Nunca se assumem, continuam no armário dos fracos, dos molengas.

“Aqui importa-se tudo. Leis, ideias, filosofias, teorias, assuntos, estéticas, ciências, estilo, indústrias, modas, maneiras, pilhérias, tudo vem em caixotes pelo paquete. A civilização custa-nos caríssimo, com os direitos de Alfândega: e é em segunda mão, não foi feita para nós, fica-nos curta nas mangas... Eça de Queirós“
The flame boy completou a primeira fase do circulo de licenciatura do PSD-M. Jota, Office boy numa câmara/direção, deputado. Trabalho útil = zero ( 0 ). Criação de riqueza = zero (0). Basta-lhe agora para completar o mestrado integrado, ir a director, consultor/assessor. O doutouramento fará se fôr a Sec. Regional e “Cuma cun Laude” se for chefe de Governo. O curso: Licenciatura em Bestialidades, Gastos e Obras Desfeitas, ficará realizado.

(1) de um filme de David Frankel com Olga ..., perdão, Meryl Streep

(2) Sapateiro, não vá além da Sandália, Plinio o Velho sobre Pelaste.

(3) Portanto, Flame Boy, não foi só a Madeira, foi o país todo. Sobre as tropas, como Flame boy não saberá, a Madeira era uma ilha para onde Lisboa deportava, na monarquia, como na República, quem estava contra e aqui, eram muitos. Aliás estudos dizem que cerca de 21% da população do Funchal era de deportados. E foram estes, mais alguns militares vindos de Lisboa, Tenente Manuel Ferreira Camões um exemplo, que se revoltaram, tendo a participação da população madeirense sido de quase comerciantes e alguns donos de fazendas, por e com interesse. Em resumo, uma revolução de portugueses, não de madeirenses, tal como aconteceu em 1974, em Lisboa. Está percebido ?


Porque The Flame Boy, nos vai deixar, os Doors, Apocalipse Now:

Share on Google Plus

0 comentários:

Enviar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.