As promessas de Cafôfo ou as promessas do PS(d)-mexilhão ?

Governar é escolher, Duque de Lévis
Em “O que vale o PS-M ?”, disse que abordaria num próximo artigo as promessas já feitas pelo candidato Cafôfo, à Presidência do Governo Regional, pelo PS-M. Como dizia um tipo chamado Costa,. que não deve estar nada contente com o PS-M, "palavra dada, palavra honrada". Aqui está ele, portanto.

Naquele artigo, questionei o que me parece ser uma "dependência" exagerada de Cafôfo no PS-M, quando me parece que ele vale mais que a soma de todas as partes "daquilo" e que parecia que Cafôfo estava, não só mal acompanhado, como também muitíssimo mal aconselhado. Infelizmente... parece ser o caso.

Cafôfo iguala Miguel Albuquerque, em mensagens, promessas ocas, vãs, iguais ás que o PSD-M farta-se de fazer e de não cumprir. Quer Cafôfo ser a versão II de Miguel Albuquerque ? Por este andar de carruagem, aplica-se na Madeira a equação da futilidade: PSD-M + PS-M = PS(d)-mexilhão. Exatamente, os mexilhões somos nós, o povo.

Ora continuidade é o que não se quer na Madeira. Quer-se sim ruptura. Com o passado e processos do passado. Se não é o PS(d)-mexilhão, tem que ser outro. Assim o queira o eleitorado, porque nós, comentaristas, somos como o outro: por muito que falemos e queiramos, prognósticos só no fim, acompanhados de um bom vinho ou "loura" ( até pode ser Coral ) e de um belo marisco português. o tremoço.  

Vamos lá então aos “sound-bytes” debitados pelo candidato Cafôfo. Porque não posso classificar aquilo que Cafôfo diz, por outra coisa. Ruído, apenas

Mas antes. uma pequena introdução.
Mandam as regras que quem quer substituir alguém, saiba o que esse alguém faz.  Seja uma empresa, qualquer que seja o seu tamanho, uma ONG ou um governo, esta regra é imutável. É preciso conhecer e priorizar o que será necessário modificar, alterar ou ...impor. A evolução na continuidade, só é feita se quem sai e quem entra, são iguais. Tout court. Vejam aqueles presidentes de câmara ou de junta, que para marcar logo o inicio dos seus mandatos, mudam logo um sentido de uma rua qualquer, ou mandam alterar a localização de caixotes de lixo, apenas para …..deixar uma marca. É estúpido, mas é a verdade, como todos sabemos.

Quem quer substituir-se a um governo instalado, uma das primeiras coisas a fazer é estudar o que se tem e naturalmente, ver o que se pode e deve modificar. Isto se se pretende uma rutura com as práticas institucionais instituidas. Existem muitas formas de fazer e conhecer, tal. Uma delas é olhar, estudar, verificar os orçamentos propostos.. O orçamento, é um "calhamaço" que ninguém gosta de ler, onde aqueles que o fizeram, escondem trapalhadas, à vista de todos e onde também se pode, se for bem estudado, bem analisado e sobretudo bem auditado, perceber-se as falhas de quem o fez.

Ora na Madeira, é fácil fazer isto. Exatamente porque durante mais de 40 anos, se acumularam asneiras, fizeram-se conluios, partilharam-se, desfizeram-se, perderam-se, esgotaram-se, delapidaram-se bens e recursos públicos com entidades públicas, semipúblicas, empresas e sociedades anónimas regionais e privadas, seria fácil fazer-se um apanhado rápido e proporem-se de imediato, medidas para que tal não continue a acontecer. Mas é preciso fazê-lo e ter capacidade de o fazer. Estudá-lo. Esmuiçá-lo. Compará-lo. Enfim reduzi-lo a isto:

1) o que se deve e a quem ?
2) o que se rebece e de quem ?
3) quanto se paga e quanto se recebe ? e quando ?
4) como se paga e se recebe ?
5) quais os compromissos financeiros ( haver e dever ) futuros ?
6) o que é do governo e o que não é ? quanto devem, quando devem, quando se paga e se recebe ?
7) está tudo em papel de lei ? E é legal ? ou só na boca de ...alguns.


A correta otimização dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização, implica saber onde estes recursos estão a ser mal delapidados ou bem usados. A prática em Portugal, é que na sua maioria os recursos do estado são bem delapidados. E na Região, demasiado bem delapidados, infelizmente. Os sucessivos orçamentos regionais, são sempre “mais do mesmo”. Começando pelo primeiro, acabando neste último de 2019, o que mudou foram os números e codificação de despesas, receitas e outros. Ahhhh e as assinaturas. De resto, os disparates foram os de sempre, as prioridades foram as de sempre e os resultados foram sempre os de sempre: uma desgraça.

Se ao principio se podia “esconder” ou “empurrar com a barriga”, por ultimo chegou-se ao ponto de, ao que disse atrás, também existirem transferências, empolamentos “à la gardere”, tratamentos tóxicos de despesas, recursos e outros, conforme a ocasião. E como se dizia antigamente “a ocasião, faz o ladrão”.

É pois com surpresa, que Cafôfo, antes de ter ideias arrumadas de como tratar estes, vamos chamar-lhes, despesismos, comece logo a fazer promessas. Se Cafôfo e os seus ajudantes, conselheiros, consultores, e os mais que tudo dele, percebessem algo deste orçamento regional ( e dos anteriores ), começaria a dizer onde poupar e melhorar o despesismo no "estado" regional. Começar a procurar, "o ladrão", que a ocasião ( mais de 40 anos ) proporcionou.

É na poupança, que está o ganho. Todos nós no dia a dia, já nos apercebemos, que o GR gasta de mais, a “eito” e sem proveito. Delapida de mais. Perde de mais. Dá a quem não tem direito, tira a todos, para o proveito de alguns.

Cafôfo nada diz sobre isto. Logo infere-se que pretende manter, tudo isto. Porque “tudo isto” é que mantém a podridão deste regime. Miguel II Iglésias, o Pedro Calado de Cafôfo ainda não percebeu isto ? Cafôfo começa pelo fim: antes de nos dizer onde vai poupar, o que vai otimizar, o que vai reestruturar, onde vai cortar nas despesas (e outros ), já começa a dizer onde vai gastar. É a continuidade na evolução renovada da continuidade do PSD-M. Por outras palavras: pretende um GR do PS-M, na continuidade do GR do renovado PSD-M. Lá está um GR... PS(d)-mexilhão.

Vamos então ás promessas
Economia: aquisição do barril de uísque de que não precisamos pelo preço da carne de vaca que não nos podemos dar ao luxo de comprar, Ambrose Bierce
Promessa 1 - Aumentar o PIB da Madeira em 10% ( em 4 anos, se percebi bem )
Cafôfo e o PS-M acharam um novo tesouro. Tipo plano Marshall, para a Madeira. Se o tesouro não vem do continente, porque o dinheiro lá não abunda, deverá vir da UE ? Só um problema, é que na EU também não abunda e os fundos já estão “distribuídos”.

Mas mesmo que fosse verdade, um aumento do PIB não significa melhor qualidade de vida. Veja-se o que aconteceu com Jardim. A Madeira chegou a ter um PIB per capita, maior ou igual a Lisboa, mas ……só para muito poucos. A Madeira desses anos foi tipo Arábia, Qatar, Venezuela, ….. Havia dinheiro, mas estava muitíssimo mal distribuído. 

Alguém no PS-M, fez contas sobre onde e como se aumenta em 10% o PIB na Região ? Pela produtividade ? Na exportação exponencial de bens e serviços ? De bens….lembro-me das bananas, das anonas, dos bordados da madeira, …… de serviços, não me lembro de nada, a não ser que acreditem num aumento exponencial da “produção” da Zona Franca, das TI´s ( ???? ), call centers, turismo.…. Mas isso não é mais do mesmo ? PS(d)-mexilhão ? Ou estão a contar com o museu de CR-7 e as receitas de Dna Dolores ?
Os melhores médicos do mundo são: o Dr. Dieta, o Dr. Tranquilidade e o Dr. Alegria, Jonatham Swift
Promessa 2 – Trazer 100 profissionais médicos para a Madeira 
O PS-M não sabe o que se passa no Continente português. Pura e simplesmente não existem médicos para trabalhar no público. Porque, ninguém já quer trabalhar em entidades que oferecem muito pouco e não reconhecem mérito a quem lá trabalha. Será que Cafôfo, acha que existirão profissionais, que trocarão os grandes centros do continente, para virem para a Madeira ? Oferecerá melhores condições salariais ? Casa, comida e roupa lavada ? E os  que estão já na Madeira ? Ou será que Cafôfo colocou naquele numero redondo tudo: médicos, técnicos, auxiliares, ……. Vêm de Cuba ? da Venezuela ? Ou então é mais um leilão ? O PSD-M dizer coloco 200, o PS-M dizer 300…….. 400…. 5000 e vão uma, e vão duas e …….três, arrematado para o PS(d)-mexilhão ( qualquer que ele seja ).
Quem mais demora a fazer uma promessa é quem a cumpre mais rigorosamente, Jean Jacques Rousseau
Promessa 3 – Novo hospital por 75 milhões
Cafôfo promete arranjar dinheiro, 75 milhões de euros, para um novo hospital. Quer dizer, Cafôfo nem sequer olha para o que tem e já promete um hospital. Mais uma vez, a evolução na continuidade do PSD-M. Para Cafôfo, reestruturar a “rede” de centros de saúde da Região; optimizar e exponenciar todos os recursos de Saúde que poderá ter à sua disposição …. não são uma prioridade. Melhorar os recursos humanos. Criar uma política de meritocracia....criar regras entre público e privado.... nada. Aliás ...

Tal como também não é prioridade sua, saber se 350 milhões de euros para o novo hospital, proposto pelo PSD-M seja um numero …..miserável. Nada. Cafôfo deve saber, se quer ser Presidente do GR, que a Madeira é uma Região geograficamente pequena, onde quase tudo está perto de tudo. A Madeira, é menor que o concelho de Sintra, ou do da Amadora. Ou do Montijo. Ou de Gaia. Não só em área, como também em população.

Sabendo isto, Cafôfo não se pergunta porque é que os Hospitais Centrais que o governo do PS, quer construir de raiz para Lisboa ( 600 000 pessoas ) e Alentejo  (500 000 pessoas ) custam quase metade do previsto para o da Madeira, entre 150 milhões a 200 milhões de euros. Vão servir mais população, numa área geográfica muitíssimo superior, sobretudo no Alentejo.

Mesmo que Lisboa pague 50% deste, como finalmente o PSD.M reconhece, Cafôfo deve saber que nestes 50% também estão o contributo de 220 000 madeirenses (entre 11 milhões de contribuintes ), bem como nos outros 50%, apenas está o contributo de 220 000 madeirenses. E isto é uma dupla tributação ou dupla "voluntária" contribuição, que ninguém na Região, sobretudo a classe dita "dirigente" reconheceu ainda, infelizmente.

Ou será que Cafôfo, vai dizer que irá reavaliar os custos do novo hospital, fixando-os em 120 milhões de euros e restando os outros 230 milhões para usar no tal novo hospital ( que poderá ser boa ideia se for uma unidade complementar do central ), para restruturar a educação, para reestruturar serviços regionais, para pagar e amortizar dívidas …… Isso sim seria uma boa ideia. Será isto que Cafôfo pretende ?
O que faz andar o barco não é a vela enfunada, mas o vento que não se vê, Platão
Promessa 4 – Ferry todo o ano.
Muito bem, boa ideia. Quem paga ? Será subsidiado ? e em quanto pelo GR ? Quem o operará ? Será através de um concurso público internacional, ou uma espécie de concurso á medida, para os mesmos de sempre, como foi o caso do Centro de Inspeção de automóveis ? E em relação a esta situação, o que pensa Cafôfo e o PS-M fazer ? A evolução na continuidade ? PS(d)-mexilhão.

E não, se faz favor, não mais um PS(d)-mexilhão depois de Setembro. E Cafôfo, vai arrepiar caminho, quer arrepiar caminho ou não vai arrepiar caminho ? E quem se lixa ? de novo o mexilhão ? 

Parafraseando, Julio César "Et tu Cafôfo ?"

E falando em promessas, Beverley Craven:

Share on Google Plus

0 comentários:

Enviar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.