Saúde: o gravíssimo problema regional

Já lá vai o tempo em que o sector da saúde era “a joia da coroa”. Em tempos idos, na Região Autónoma da Madeira, os governantes não se cansavam de propagandear as vantagens do Serviço Regional de Saúde. E as populações sentiram, nos primeiros anos da implantação da Autonomia e do Serviço Regional de Saúde, a partir de 1976, os benefícios da regionalização do serviço de saúde. Agora, só se registam pedidos do Governo Regional para mais dinheiro da República também para a saúde e da parte das populações agudizam-se as reclamações face às insuficiências e os protestos perante as incapacidades na resposta às necessidades de cuidados de saúde.

A saúde transformou-se em gravíssimo problema regional.

Engana-se quem possa pensar que se criou um problema de desenvolvimento humano e social na medida em que chegou a epidemia Covid-19. É que as insuficiências e as incapacidades do Serviço Regional de Saúde apenas ganharam agora novos contornos. Mas, o problema é bem anterior aos “dias Covid”.

Vejamos o caso da longuíssima lista de espera para cuidados hospitalares. Em 2017, segundo os números oficiais, estavam em lista de espera 35.258 pessoas para uma primeira consulta. São números escandalosos sobre as incapacidades do Serviço Regional de Saúde. Em 2019, ainda antes de se iniciaram “os dias Covid”, os números oficiais diziam que tinham aumentado para 36.048 o número de pessoas que desesperavam pelo agendamento de consulta ou outra resolução. São números vergonhosos! Em 2020, já com o problema da pandemia Covid passaram para 41.337 pessoas em lista de espera… e na lista de espera para uma cirurgia estavam mais de 20 mil pessoas.

Coloca-se, pois, a necessidade de repensar e reforçar o Serviço Regional de Saúde para garantir o acesso de toda a população aos cuidados de saúde, para um progresso quanto à qualidade de vida dos madeirenses e portossantenses.

Se os números oficiais publicados confirmam a gravidade dos problemas no sector da saúde na Região Autónoma da Madeira, tudo se torna ainda mais inquietante quando se sabe que o Governo Regional da Madeira está a falsear dados sobre a realidade do déficit no acesso a cuidados de saúde.

Na Região está a ser exponencialmente mais elevado o problema das listas de espera para consultas, exames auxiliares de diagnóstico e cirurgias do que nos dão conta os números divulgados.  Como sabemos, os números oficiais estão falseados quanto à informação pública sobre as reais necessidades de acesso a cuidados de saúde. Uma coisa é a realidade, em alguns dos casos dramática, de listas de espera para cuidados de saúde, outra bem diferente são os números oficialmente divulgados pela governação. Ou seja, não só os números acerca da realidade da saúde estão a ser objeto de tratamento político, estão a ser "martelados", numa ocultação premeditada por parte do Governo Regional, procurando assim disfarçar a realidade das dificuldades de resposta e de acesso aos cuidados de saúde a que as pessoas deveriam ter direito, como também estamos perante um processo de batota política onde o Governo Regional joga com os problemas da saúde pública como se as pessoas e os seus problemas de saúde fossem manipuláveis através da retórica política, ao sabor dos interesses mais mesquinhos da agenda da governação.

Nesta Região coloca-se, então, a necessidade de haver rigor e de ser garantida transparência na apresentação dos números reais quanto às incapacidades atuais do Serviço Regional de Saúde em dar pronta resposta às necessidades de cuidados de saúde da população. É tempo de o Governo Regional proceder com verdade quanto ao estado da saúde na Região. É que, falsear os números oficiais sobre listas de espera para consultas, exames e cirurgias, para além de fraude política, a médio prazo, estaremos perante uma enorme ameaça para a saúde pública. Estamos perante um imenso prejuízo para o interesse público e para o desenvolvimento humano e social.

O gravíssimo problema da saúde nesta Região Autónoma só será devidamente atendido caso seja reforçado o Serviço Regional de Saúde nos seus meios financeiros, humanos e técnicos, com os vários níveis de cuidados articulados entre si, com uma direção coesa e determinada na defesa do interesse público. Só assim será possível recuperar dos atrasos verificados no acesso aos cuidados de saúde, para além das respostas aos "problemas Covid”.

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.