Morte cerebral


Não sei que percepção tem o Presidente do Governo Regional e do PSD-M mas a sua situação é muito má. Se calhar sabe mais do que nós e desfruta ... Em tempos, nos bastidores do PSD-M e após o desaire das Autárquicas, parecia que o destino político de Miguel Albuquerque estava traçado com a entrada de Jardim em cena. De forma extemporânea, Albuquerque fez uma jogada de antecipação e arrumou o que se urdia nos bastidores fez-se candidato às Regionais de 2019 mas, a máquina tem força e impôs Pedro Calado. Com certeza este não era o plano "A" mas o plano possível. O problema é que já não é o plano perfeito e o cabeça de lista, imagem do Governo e do partido, queima tudo na opinião pública.

Com o tempo a passar, o PSD-M está a cair de forma lenta mas continuada nas sondagens, ainda não parou, o efeito Jardim desvaneceu, o homem encolheu os ombros no caos e foi deixando as opções de Albuquerque passarem porque pouco se pode fazer. Jardim não pode ir contra as regras que ele próprio criou e que tantas vezes vingaram ao ponto de chamar traidores a alguns visionários. De fora, vê-se muito melhor e sem condicionalismos. A união foi folguedo de Congresso porque, mantendo exactamente os mesmos, não se pode dizer que o partido tenha aprendido com o desaire nas Autárquicas e assim também não chama, não atraí nem provoca regressos. Aliás, também neste aspecto, o PSD-M é cada vez mais um partido de desvinculações. 

Num Governo com tantos assessores, percebemos neste momento que não há políticos mas sim seguidistas à espera da ordem de comando. Se a ordem não é grande coisa e os seguidista são mais fama do que proveito, é natural o caos. O PSD-M matou a sua escola política e Albuquerque trouxe a nata, as famílias, o Jet7, etc, capacidade para Governar não, se calhar também ele espera ordem de comando.

Ainda assim, há uns meses, houve algumas movimentações social democratas para uma terceira via. Perante um PSD-M infestado e o caos instalado, queriam fazer tudo aquilo que o PSD-M não consegue fazer, regressar ao povo e à sociedade civil e governar para todos. A iniciativa foi sendo neutralizada com brutais perseguições. No futuro e a este ritmo, aqueles que são social democratas mas não se revêem neste PSD-M liberal, lobista, autista e elitista, muito menos na Renovação arrogante, pedante, insolente e incompetente, deitarão mãos à cabeça quando tomarem conhecimento desde a oposição.

Albuquerque morreu politicamente por estes dias porque matou previamente todos os bons elementos para poder exercer um mandato a gosto e sem alertas a seu belo prazer. Não quis ter gente incómoda que, com escola, sabem o que é governar e não se calam sobre o caminho certo. Entretanto, a máquina partidária deixa-se ficar para não se meter em alhadas e está o clima zombie criado.

Miguel Albuquerque tem direito às férias mas também tem, em paralelo e de forma "indescartável", a responsabilidade de Presidente do Governo Regional. Nos dias que correm, até um filme produzido pela esposa com o telemóvel com a sua mensagem no Facebook atenuaria a situação mas não têm sensibilidade nem criatividade, apesar de ter tudo à mão. Até o destino escolhido para férias é um tremendo azar para justificar o que quer que seja. O Dubai é hoje um hub mundial com voos para todo mundo e com ligações directas a Lisboa, por falta de soluções e acessibilidades não pega. Tudo complica quando o Presidente do Governo, equiparado a ministro, tem um passaporte diplomático, pelos menos mais especial do que o comum dos mortais. Se estivesse de boas relações com o Presidente da República provavelmente, numa situação tão singular, teria a anuência para que um Falcon fosse buscá-lo. Miguel Albuquerque matou todos aqueles que poderiam fazer a diferença. Está a comer o pão de amassou. Só falta para finalizar o desastre político a publicação de uma foto de família feliz no Dubai. Cada um tem o que quer e merece.

Miguel Albuquerque comprometeu o prestígio da Autonomia, depois da falência desta, não estando à altura do cargo e das suas responsabilidades. Estou para ver como é que os coros que abençoam a insistência nos erros vão atirar a culpa a alguém. Não passam de fogo amigo, os carrascos "light" do PSD-M. Costumo dizer "ainda bem que escolheram os melhores, se fossem os piores o que não seria!"

Se o PSD-M quer manter alguma esperança nas Regionais que mude rapidamente o principal candidato, vai a caminho de descer aos 20% nas intenções de voto por isso andam loucos e perdidos. Amanhã é Sábado de Aleluia (Sabbatum Sanctum) um bom dia para o PSD-M ressuscitar para a realidade, uma inversão de marcha no deserto.

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.