Feliz Natal ... com tudo e sem todos.

 


O Natal é construído com base num lindo e intencional paradoxo: que o nascimento de uma pessoa sem lar seja celebrado em todos os lares, Gilbert Chesterton 

Um Natal de 2020 diferente. Em Novembro/Dezembro no ano passado comecei e todos nós a ouvir e ler noticias do que se passava lá longe, na China. Lembro-me de ter comentado …”isso está longe. Aqui não vai chegar ou se chegar vai ser como com a gripe das aves….*

Apenas mês e meio depois, Fevereiro, já tinha colocado em isolamento, era essa a palavra usada, as unidades de saúde e sociais que tenho a meu cargo. Isolamento total. Não se falava ainda em confinamento, palavra "quase" desconhecida (depois a mais usada ) no nosso léxico. 

De uma ponta a outra da Europa a “coisa” extravasou. Começando pela "bellisssima" Itália.

Aquilo que se lia nos livros de ficção afinal podia ser uma realidade. Era uma realidade. Lembro-me de em meados do ano passado, ter visto na National Geographic uma série sobre o vírus Ébola e uma situação real complicada, que tinha sucedido nos EUA com a importação de macacos. 

Meio ano depois ... aí está o Covid, o vírus chinês como diz e bem Trump (se existiu a gripe espanhola....  mas deixemo-nos de politicas)

Mas com isto da Covid também sucedeu uma coisa que à muito não via. Um sentimento de solidariedade de todos e para todos. A família foi obrigada a unir-se e depois, coisa estranha nestes tempos de pressa em demasia, gostou de encontrar-se. Como dizia um amigo escocês, parece que descobrimos de novo algo que estava já aqui ao pé. E outros amigos alemães, belgas, franceses, holandeses, ingleses …espanhóis dizem quase a mesma coisa.

Neste aspecto Portugal tem, acho, uma vantagem: Ainda gostamos, mesmo os citadinos, de ter a família perto. É algo que já se estava a perder, mas parece que se colocou “ordem” nesta coisa dos valores familiares.

Um pouco por todo o lado descobriu-se o prazer de comer uma refeição .."by we self". Não os enlatados, não as pré-feitas/cozinhadas. A nossa, feita por nós. Parece dizem-me, que nunca as livrarias venderam tantos livros de culinária. Fui a uma Bertrand e também me disseram isso. Os "azeiteiros", aqueles que no antigamente levavam produtos a casas das pessoas, lembram-se, apareceram ( e uma oportunidade de negócio...mas deixemo-nos de economês...)

Podem-se contar pelos dedos de uma mão. Uma das melhores sensações e prazeres do mundo é comer, estar sentado numa mesa com os nossos. Sem olhar para o relógio. Apenas falar….comer, observar …. Poder dizer "boutades" sem termos alguém a olhar de "través". Tirar partido daquela mão, daquele menear de cabeça familiar, daquele "sacoratear" , daquele tique, do riso dos filhos, das perguntas dos mais pequenos e também contar histórias. Perguntar e ser “perguntado”…. Isso é muito bom. Eu adoro, todos adoram.

A família, descobriu-se agora, afinal não é apenas a coisa “chata”, os cotas, os que estão sempre ali.  Afinal os pais não são "os velhotes" e até numa casa, num apartamento se pode brincar às escondidas ou à apanhada (um amigo montou uma "piscina" num quarto ).

Quem como eu, desde à muito por imperativos profissionais, se encontra normalmente afastado fisicamente da família …. esta sensação, este prazer ( o outro também é muito bom mas é apenas no casal, OK ! que isto de “platonismo”…. ) pode não ser nova. Mas para todos foi redescoberta.

Disse em Março aqui na GNOSE num artigo, que a Covid também era uma oportunidade. Ora aí está. Talvez não a melhor “oportunidade”, mas para se redescobrir o prazer da família …. foi a oportunidade. Deus escreve direito por linhas tortas.

Por isso caros amigos, perdoem-me mas tenho de estar com a minha Família. Afinal são dos poucos/únicos que nos querem, desculpem dizer isto, verdadeiramente bem ( os nossos amigos mais queridos também pertencem à minha Família ). Já agora...alguém sabe como se faz o recheio do Perú ? e marina-se com vinho Madeira ou vinho Porto ? Aqui vou eu ....inté. 

Quando nos recordamos dos Natais passados, na maioria das vezes descobrimos que são as coisas mais simples - não as grandes ocasiões - que nos oferecem os maiores momentos de felicidade, Bob Hope

Um Feliz Natal e Festas Felizes,

é o meu desejo e da minha Família para todos vós, para todos nós. E a GNOSE é também a minha/nossa Família.


Andrea Bocelli - Santa Claus Is Coming To Town

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.