Encalhados ou falidos ?

A má administração do dinheiro é a responsável pela falência de muitas famílias, Pierre Logan
É acreditem, uma chatice dar com um número para o PIB da Madeira em 2019. Certo que as contas não estão “fechadas” e homologadas, mas é muito difícil de encontrar um valor. Porque, conforme o local onde isto se procure, o OR2020, a DREM ou mesmo o INE os valores são distintos. Pedro Calado disse ao Expresso que o PIB de 2018 foi de cerca 4,5 mil milhões, mas o INE fala em 4,7 mil milhões.
O que vale a Madeira em termos de PIB ? O que vale a Madeira em serviços ou produtos com valor acrescentado, isto é, aqueles que criam a riqueza que importa e que fica?

Confesso que é um problema que desde à muito se me coloca. Ainda mais agora, em 2020. Quero saber se existe capacidade da Madeira não recorrer à República mais uma vez. È que se a Madeira entrar em "falência" cria ao estado português um problema igual ao que o NOVO BANCO + BANIF causaram.  O GR sabe que se a Madeira "falir" quem paga é Lisboa. Por isso Albuquerque, Calado e companhia, estão "nas tintas" para Lisboa e para a constituição.  Para tentar encontrar essa resposta, assumi estas premissas:

1) o turismo vale 1\3 do PIB regional. Diz o regime. Este sector traz valor acrescentado à vida económica da Madeira. Porque os hotéis estão lá e basta mês, após mês, após mês terem turistas. Pagam impostos e idealmente não deveriam ter apoios do GR, coisa que sabemos muitos obtêm. MA diz que hoje são 20 000 os turistas e que pretende 70 000 em Agosto. Vamos ver. Mas 70 000 turistas não pagam custos de manutenção, porque com os preços que se fazem é necessário ter um hotel cheio a 75-80% ( e sou optimista ). SE juntarmos transportes e comunicações, talvez seja mais que o 1\3
A primeira lição é: planeamento estratégico centralizado para o lixo. Se não tiveres um bom líder, não vale de nada; é apenas um monte de papéis a voar por aí, Robert Townsen
2) o betão vale outro terço ( obras públicas, particulares,.... ). Cria riqueza curta. Criam empregos curtos. Impostos ainda mais curtos. Mas depois de obra feita, os empregos vão-se, os impostos também. Isto só existe se o GR pagar para ter. Em linguagem corrente, para o GR "receber" impostos dali, tem de pagar para o "betão" se fazer. O que não é justo. É que nem todos recebem do GR para dar ( ao GR ).

3) e quero crer que o outro terço se deve ao funcionalismo público e a todos aqueles que directa ou indirectamente estão na dependência económica do GR. Profissionais de saúde, professores, funcionários públicos, directores, presidentes dos "n" organismos criados à medida.... O governo PAGA para as pessoas pagarem impostos. Não existe criação de riqueza, excepto se as pessoas pouparem, coisa que cada vez se faz menos. Um carro comprado, uma casa construída não cria riqueza a longo prazo. Mas faz “passar” dinheiro de um lado para o outro. Uma comissão.

Numa população activa de cerca 120 000 pessoas ( PORDATA/2019 ), pelo menos 50% são empregadas pelo GR. 20 000 na educação; outros tantos na saúde; sobrando 10 000 para a segurança social e o resto. Resta saber, quem emprega os restantes 70 000 ? Obviamente a maioria só pode estar no desemprego, como no desemprego vão estar quase 20% dos 50 000 "empregues" pelo GR. Os dependentes mais dependentes

Naufrágios
E isto distorce a vida económica da Região. Em lado nenhum, em país algum, excepto os antigos comunistas e os recentes Venezuela, Coreia do Norte e aquelas “ditadurazecas” da Ásia central isto acontece. Também na China. Mais de metade da população activa estar dependente do GR pelo trabalho e pelo desemprego. E claro os familiares mais os dependentes da seg. social e casas do povo. É assim que eleições se ganham.

A região faz demasidas vezes de comissionista e todos sabemos o que acontece aos comissionistas quando a crise bate à porta. Porque isto de fazer  “passar” dinheiro só é bom se a crise não existir ou se quem fica com o dinheiro não o gasta.

Ser comissionista é como entrar num esquema Ponzi, uma espécie de Telexfree. Um esquema fraudulento, que só se sustenta, se mais dinheiro entrar. Como na Madeira. Dinheiro precisa-se para que este gigantesco esquema Ponzi regional se mantenha. Na Madeira, excepção feita ao Turismo e a uns poucos que não contam, "passa-se" dinheiro. O GR dá 5, para obter 3. E desses 5, 3 vêm da banca, de empréstimos, do dinheiro dos outros. Os 2 que a região "gera", já não pagam gastos e necessidades.

Quanto vale a Madeira e o que é a Madeira hoje em termos económicos ? O PIB nacional, desceu 16,5% no segundo trimestre deste ano. Mas na Madeira, apenas se sabe pelos responsáveis que “isto está mau”. Perspectivas para o futuro…só no final do jogo e como sempre a culpa será de Lisboa, do Covid, dos países que não “deixam” vir turistas para a Madeira, dos aviões que vão vindo mas são poucos e nunca cheios, dos barcos que não chegam, apenas se têm perspectivas de que “amanhã” será outro dia….. Na Madeira joga-se em futuros como na bolsa. O problema é que a Madeira NÃO TEM FUTURO se continuar assim.
É preciso menos tempo para pôr uma fábrica de pé do que treinar homens competentes para a gerirem, Indira Ghandi
Mas preciso de saber quanto vale a Madeira em termos económicos. Porque, TODOS precisamos de saber se a RAM tem capacidade de pagar o que deve: Enfim se tem futuro se se mantiver o modelo económico actual e claro, a forma de fazer politica actual.  
Estado da economia na Madeira

À PROCURA DO PIB

A Madeira cresce há 82 meses consecutivos, dixit  Calado na ALRM em meados de Julho.

Mas que é contrariado pela DBRS. É que para a DBRS, se é verdade que entre 2012 e 2017 a Madeira melhorou em 500 milhões de euros as suas receitas, logo “supostamente” maior crescimento" como diz Calado, ela avisa que na realidade naqueles anos, a despesa da Madeira cresceu mais do que as receitas: 1 181 milhões de euros, para 1 052 milhões de euros.

Aliás para a DBRS ( repito com “números” fornecidos pelo próprio GR, SÓ em 2013 é que a RAM teve um crescimento efectivo que lhe permitisse supostamente abater divida, coisa que não aconteceu, segundo o OR de 2014 ).

O INE diz que em 2018, todas as regiões do país cresceram economicamente. Mas a Madeira e o Alentejo, APENAS COM 0,6% e 1% respectivamente, foram as regiões QUE MENOS cresceram, coisa que contraria o que GR diz.

Mas o que significa crescimento para o GR e para as estatísticas ?
Numa casa cujo rendimento do agregado familiar cresceu 10%, mas cuja despesa aumentou 15% ( escola, comida, juros à banca, transportes, …. ), a família fica com mais ou menos dinheiro ao fim do mês? Para o GR fica, para nós não. Este é o entendimento de "crescimento" do GR, de Albuquerque e Calado.

Fonte Jornal Económico
Como o GR não é rico, para “DAR” tem de ir à banca buscar dinheiro. Ou ao estado central. Mas para ir à banca, o GR TEM de pagar juros. E cria dívida. Mas como aquilo que recebe (impostos ) do betão, dos ordenados...depois de pagar, quase não é suficiente para pagar o juro, muito menos para amortizar dívida, mesmo contando com o que recebe do Turismo. Um ciclo vícioso. O GR pede à banca dinheiro para pagar a muitos por forma a receber receitas. Neste ciclo, è como se tivessemos de ir à banca, para emprestar dinheiro ao vizinho. Dinheiro ganhar-se-ia se o vizinho nos pagasse MAIS do que o que pagamos ao Banco. Infelizmente, com o GR isto não é conseguido..

A Madeira é a região do país que menos contribui para o cofre do estado central sendo aquela que mais exige de Lisboa. O que não está correcto.

Fixemo-nos nos 0,6% que o INE diz que a Madeira cresceu. Mas alguém acredita que com “crescimentos” de 0,6% se pagam juros de 1 e 2% ? A resposta é fácil. Nada. Nem a dívida pode ser abatida, nem o juro é pago. Por isso o GR mente quando diz que a sua dívida é menor e por isso o GR mente quando diz que que a RAM cresce à 81\82\83 meses. Excepto se por crescimento entendem MAIS dinheiro e MENOS riqueza. 

Portanto nesta lógica, quanto valerá a dívida regional ? Obviamente nunca estará nos 5,1 mil milhões de euros de Calado, mas nos 7 mil milhões de à 7 anos forçosamente. É que a Madeira NUNCA teve crescimentos EFECTIVOS para amortizar aquela dívida.

Mas façamos mais contas e CONTINUEMOS A USAR OS VALORES DELES.
Se o PIB regional tivesse estacionado nos 4,7 mil milhões de euros ( Pedro Calado já admitiu estar nos 4,5 mil milhões de euros ) e se o turismo, COMO DIZEM, vale 1\3, ou seja, 33% da economia regional,
33% de 4 700 milhões € = 1 566 milhões € anuais = 130,5 milhões € mensais.

Em 2018, se o aumento das receitas turísticas “bateu” um recorde, houve uma diminuição de receitas por quarto o chamado RevPAR em 1,5%. Isto é, aumentamos a RECEITA REDUZINDO PREÇOS e MANTENDO OU REDUZINDO DESPESAS,  como os ordenados.

Aliás para piorar este assunto, a “insuspeita” DREM, disse que 2019 fechou com quebras de 2% e 4% em dormidas e proveitos, obviamente também no REVpar. Que se manteve em 2019, como se queixam os hoteleiros, baixando ainda mais os preços. O Turismo estava mal em 2018, esteve mal em 2019 e só apenas em 2013 e 2014 teve ganhos reais normais, sem baixar preços de camas, apesar de ter tido menos dormidas que nos anos subsequentes, nomeadamente 2018 e 2019.

Como todos, GR e hoteleiros dizem, mais os segundos do que os primeiros, que o turismo está a sofrer bastante com esta pandemia, com hotéis FECHADOS e com aqueles abertos com ocupações inferiores a 25%, façamos contas ( ver acima )
6 meses x 130,5 milhões € =783,3 milhões €

que não podem ter-se registados neste primeiros 6 meses,
Se o Turismo perdeu em média 50% (dizem que mais) nestes 6 meses,
50% de 1 566 milhões € = 783,5 milhões € = 391,6  milhões € em 6 meses

o PIB ESTARÁ JÁ nos 4,3 mil milhões de euros
4 700 milhões € PIB - 391,6 milhões € de perdas turismo = 4 300 milhões € PIB

Mas se juntarmos a estes valores perdas IDÊNTICAS no sector das obras públicas… mantendo inalterado o sector “função pública”, chegaremos à brilhante conclusão que o PIB regional a 6 MESES de finalizar o ano, a manter esta situação valerá
4 700 milhões de euros – 2 x 391,6 milhões ( perdas de 50% em 2 sectores ) = 3 916 milhões €

E este é um valor perigoso. Porque se a dívida não abate e se mantiver nos 5,1 mil milhões "oficiais" que Pedro calado diz existir, esta OFICIALMENTE PASSA A SER INCOBRÁVEL.

Mas façamos as contas de outra forma. Equiparando a RAM ao continente português em termos económicos ( coisa claro que não é verdade ) e inferindo que o valor do PIB regional nestes últimos 6 meses CAIU APENAS 16,5% em média ( foi mais, como sabemos ).
16,5% de quebras no PIB = 3 924 milhões € ( no final do ano )

Isto é catastrófico para a Madeira. Porque as receitas, IMPOSTOS, ao descerem, VÃO AUMENTAR AINDA MAIS A DÍVIDA DA MADEIRA. Isto é, a Madeira está num poço e luz nenhuma se vê, excepto a de mais fundos, mais dinheiro para resolver este imbróglio. 

Este modelo económico, este esquema de Ponzi, tipo “telexfree” de má memória para tantos madeirenses, que o psd-M, agora o cds-M, impôs á Madeira, faliu a região. Não está a falir, note-se. Faliu a região.

Este esquema só duraria enquanto dinheiro vivo entrasse. Na ausência dele, a região está falida porque a Região infelizmente, sempre sobreviveu à custa do dinheiro dos outros. Nunca os GR´s tentaram fazer diferente. Sobrevive-se de empréstimos. 

Agora num ultimo forcing, o GR isenta tudo e todos de pagarem, para amanhã tentar ganhar as Regionais de 2020/21 ( se o cds-M deixar ) que todos no psd-M anseiam e as autárquicas. Vai-se ao fundo do saco e gasta-se tudo numa jogada de muito risco do psd-M e este regime, porque esperando ganhar essas eleições, ficam à espera que do novo o pote de dinheiro dos outros, da solidariedade da UE sobretudo, seja a nova “fonte” de um poder perpétuo e maligno. È que esta imensa dívida sópode ser gerivel seo o psd-M usar os fundos comunitários, como sempre fez, para pagar dívidas.

Uma luz de esperança, que por certo alguém neste regime não deixará brilhar, porque os “fusíveis” vão ser, como sempre foram, também roubados. 

Observação ( 02\08\2020 - 10h30 )
Depois deste artigo estar publicado, chamaram-me a atenção que os números que apresento para os funcionários do GR na saúde e educação são sensivelmente metade. Peço desculpa, mas é uma má noticia, porque assim o número de desempregados que estimo é maior e bastante diferente dos números apresentados pelo GR
Também fui chamado à atenção de que o valor que estimo de queda no Turismo e actividades associadas rondará os 70%. Mais outra má noticia. Mas o espiríto mantém-se e os cálculos ... vou manter apesar de AINDA  mais conservadores. 

Porque se caminha para um Goetterdaemmerung (Crepúsculo dos Deuses) - Wagner


Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.