Sejam TESOS

Híbrido CNG/diesel-eléctrico Ro-Ro ferry; Dimensões: 135,40 mt. comprimento x 27,90 m. boca;
Capacidade: 340 carros, 1.750 passageiros.
Vou, como habitualmente, ser sincero, coisa que curiosamente na Madeira tem custos. Não é bem vindo porque desestabiliza as forças, a dominante e a escravizada. Há muitos pobres entretidos enquanto outros abusam, sem comparação e a ler muito pouco o que interessa, os madeirenses andam a sonhar ainda menos, contentam-se em serem pobres sem questionar ... qual alegoria da caverna onde lá fora estão as sombras más, em princípio. Festa, circo, a poncha, segue-se o Carnaval, tudo entretém. A comunicação social colabora, é pouco exigente, condicionada e não se envergonha de ver os de fora a fazer as descobertas mais significativas sobre a podridão que ocorre no cantinho do céu.

Os livros de história são para se ler, para não se repetirem erros e não permitir os ciclos que sempre se repetem. A experiência dos outros é para se levar em conta, para se comparar com a nossa conjuntura e não realizar simples cópia. Vou ser herege, quando chego à Madeira tenho a sensação de peso, atrofiamento, bloqueio, algumas vezes até espirro desalmadamente, deve ser alergia. Para outros será umas alegres férias mas voltam aos seus países para fazer vida.

Algumas cidades europeias protegeram o seu comércio tradicional não autorizando grandes superfícies o que provocou a manutenção de empresas familiares seculares, conteve a vida na cidade e promoveu convívio entre as pessoas. Os prédios, por terem uso e vida, estão exemplarmente conservados, as pessoas convivem muito mais do que na versão centro comercial - cidade dormitório - prédio onde ninguém se fala. Claramente, as decisões políticas têm influência no desenvolvimento da cidade, região ou país. Neste caso, dos exemplos que conheço, a vida nalguns lugares continua a ter ritmo, cheiros, rotinas das quais os de meia idade ainda se lembram no Funchal. É o apelo aos sentidos e às emoções que trazem carisma a um lugar e esta é construída por humanos no tipo de vida que implementam, muitas vezes cosi, com elegância e sapiência. Adicionava-lhe algo que designava por sapiência UNESCO.

Texel é Património Mundial da UNESCO tal como a zona, Wadden composta por ilhas e mar, é o único património natural da Holanda e está em pé de igualdade com a Grande Barreira de Corais da Austrália e o Kilimanjaro, na Tanzânia. O Porto Santo não tem nada de natural para a UNESCO? Ou não dá jeito aos abusos nas dunas? Às vezes essa distinção ajuda ao desenvolvimento certo.

Aeródromo de Texel
Para prosseguir estes parágrafos soltos que ainda não deixaram transparecer a mensagem, vamos à ilha de Texel (Texla em português), é holandesa e está no cordão das ilhas Frísias, primeira barreira natural que esbate a impetuosidade do Mar do Norte na Holanda. Por estes dias chegam frigoríficos, televisões, brinquedos e sapatos, contentores, etc, às suas praias, vai um alvorço por múltiplas razões. Texel significa ovelha, uma raça de ovelhas originária da Holanda e pelo seu baptismo sabemos ao que vamos ao chegar ilha. Tem mais de 10 vezes o tamanho do Porto Santo e mais de metade da Madeira para uma população de aproximadamente 14.000 habitantes. Apesar de ter um aeródromo (apelidado de Aeroporto do Pistão) é essencialmente servida por um serviço de ferry. De Den Helder  (Holanda continental) para Texel há ferry de hora em hora, às meias, desde as 6:00 às 21:00 horas. em dias festivos, fins de semana ou feriados o horário adapta-se, pode haver partidas de meia em meia hora. Uma viagem a vulso, uma ida ou uma volta, custa 2,5€ e a viagem dura 20 minutos. A meio da semana os bilhetes são mais baratos porque Texel é uma ilha de lazer, tal como os madeirenses encaram o Porto Santo.



O nome da empresa dos ferries chama-se Teso e até parece uma boca aos madeirenses, deixem-se de ser tesos e sejam tesos, obriguem ao desenvolvimento que serve a todos e não a meia dúzia. Por alguma razão a pobreza cresce na Madeira e poucos enriquecem! Se num jornal da Holanda surgisse o operador Teso a dizer que Texel ia ficar um mês sem ferry, bem ... é que há coisas tão ridículas que só chegando à Madeira.

Sabem que mais, Texel é parecido ao Porto Santo, mais perto da parte continental, é verdade, mas a vida continental considera Texel um município tão alcançável como qualquer outro por autocarro. Quem cria contratos e soluções são os humanos com a inteligência que Deus lhes deu ou, em conformidade com a máfia no bom sentido ... de alguns. O "maior" das ilhas e do país no que a empresas de navegação em Portugal diz respeito, só tem um ferry seu e outro emprestado no Verão? Os coitados da Teso até têm um ferry de "spare", é que quando assinam contratos, por mero acaso, é para respeitar. Portanto temos políticos cientes de servir o povo e não os empresários e os empresários sabem que assinam compromissos para cumprir. Os madeirenses estão mentalmente bloqueados porque querem! Acordem! Qualquer dia ninguém tem pachorra para aturar isto! Mas vamos a outra, porquê tanto berreiro quando o ferry é para ligar a Madeira ao Continente mas ninguém fala da continuidade territorial entre a Madeira e o Porto Santo?

O problema está na máfia no bom sentido que produz soluções para controlar e estar a salvo com altos rendimentos. Na prática, a ausência de ferry de substituição é um encargo previsto mas omitido, tal como os estivadores do Caniçal que devem trabalhar de borla para enriquecer os patrões para depois promovem branqueamentos anedóticos na televisão regional. E não me venham com enredos que lançam areia para os olhos, uma coisa é ter empresários como o Nabeiro da Delta, outra é ter "comerciantes" que nem prestam serviço. Há muito empresário da Madeira Nova que pensa que a Madeira é para se assaltar enquanto dá neste sistema.

Não sei se aqui é igual mas pode-se escolher a solução que se quer, navio adequado, contrato que seja equilibrado para servir a população e apoio estatal. Se o serviço não deve ser interrompido haveria pelo menos dois navios adequados, um posicionado na Madeira e outro no Porto Santo ... adequado! Libertem a economia do Porto Santo, se é para privatizar a ilha digam logo! Precisamos de descontaminar o pensamento. Se estão tão certos das asneiras que dizem deixem os lugares vagos aos "sonhadores". Por aqui me fico, ando farto de tanta estrela de cinema nesta terrinha e são péssimos actores, para isso basta comparar.

Finalizo com webcams. Que chatice, até estão organizados sem o espaço todo ocupado por tretas que nada dizem a um porto. Cada um constrói a solução que quer e há contratos para servir a população e não para enriquecer comerciantes dos transportes que praticam sempre os mais elevados preços em fretes e bilhete para passageiros mas nunca chega.

Pre-boarding na área de Texel

As imagens sofrem refresh:

cam02 
cam01

Pre-boarding na área de Den Helder

cam03 
cam04


Por aqui ficamos, para alterar é preciso mudar e ... mudar não é sempre com os mesmos agiotas enclausurados no sistema. Um bombom final para os spotters, Texel tem um Air Show de 3 em 3 anos, só se efectua se tiver qualidade e orçamento:


Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.