Para o PSD Madeira ... c(l)arinho.

Vem um comboio de frente ...
O PSD Madeira não ouve e como tal não se corrige, até porque tem de manter os "jogadores fixos" ... "doa a quem doer" que, por sua vez, atraem as suas clientelas de confiança. Quem por esta premissa engrena é um sábio mesmo que perca, quem não engrena é um tonto mesmo que acerte no prognóstico antes do jogo. É assim o quadro do desastre e alguns, em vez de se chatearem, divertem-se vendo os outros furibundos. Mesmo com sábios, o PSD Madeira não rende, nem na Governação nem na actividade político-partidária. Seguem-se alguns raciocínios ... como se fossem louros.

O PSD Madeira não quer perceber que, a larga maioria dos seus líderes, os que desejam ficar ou se perpetuar, não têm credibilidade na praça. O povo disse chega mas eles querem tentar de outra maneira ou de outra posição.

O PSD Madeira deixou de ter utilidade para o povo, desígnios para a Madeira e credibilidade para os eleitores. A única ideia presente sobre o PSD, na maioria do "povo livre", é de querer se manter no poder a todo custo e que só no último ano de mandato (que era a última oportunidade) se lembrou dos eleitores e derrama dinheiro, charme, sorrisinhos e muita cantiga do bandido. O povo detecta claramente, separando o trigo do joio, aproveita o que vem à rede mas não está convencido. O povo sente que nada é sincero e que nada é para ficar como valor de futuro, tudo é um make-up ou um remake para ganhar eleições.

A última oportunidade para se redimir foi em 2015, não há mais nenhuma depois de novo falhanço. Poderão produzir sondagens, construir histórias, provocar conflitos, atirar lama, amedrontar e ameaçar ... o voto continuará a ser secreto e soberano.

Quando não se convence pelo argumento, aos estratagemas para ludibriar retorna cinismo. Argumento válido e credibilidade são valores inestimáveis para ganhar eleições de forma muito económica, acaso o PSD Madeira tem gasto muito? Os eleitores compactuam com tudo mas, na hora do voto, este é depositado em quem querem. Por esta razão acontecem falhas impensáveis, os eventos estão cheios ou compostos, as fotos de aproveitamento junto a figuras sérias por perto transparecem apoio, os perfis falsos parecerem estar a criar uma onda mas quando chega ao dia do voto acontece a consternação que muitos, no recato da sua casa, sorriem pela calada. É a vitória do silêncio. O PSD Madeira está a criar castelos, de cartas ou de areia. Não é nada disto que significa mudar.

O PSD Madeira está escravo das suas clientelas, a promiscuidade entre as figuras comuns ou beneficiárias com os negócios são um veneno. A razão é simples, tudo, TUDO, está confinado como oportunidade nos mesmos e já não se tolera ou aguenta. O eleitor está FARTO! A falta de selecção natural magoa, cria ódio, e tem novas contra-indicações e efeitos secundários para o PSD Madeira. O descrédito dos seus líderes, é acompanhado (visivelmente) por uma casta de filhos do poder que destroem completamente a sua relação com o povo. Não sabem estar, falar ou dizer algo útil, só se vê bocas fáceis naquele ar de chico-esperto. Não há pingo de ponderação, não há contributo que perdure enquanto ideia, só consumo rápido no estrelato da politiquice. O maior problema é se convencerem que política é aquilo.

Décadas e décadas de "os outros não prestam" caem agora no ridículo porque servem que nem uma luva. E ninguém percebe isto, ou não querem perceber, porque só o objectivo das elites importa enquanto instalados do PSD Madeira no ganha-pão do erário público sem benefício para o povo. O PSD Madeira atraiçoa o seu objecto social. Os madeirenses não vão adiar mais as suas vidas ou trocá-las por tretas, cansaram-se de viver mal agora em experiencialismos que tentam conservar o sistema e nada dizem a ninguém. De tanto recolher e dar cartas, o povo percebeu-as viciadas.

O teclado mágico que une pessoas.
São vezes sem conta dos mesmos, assim que conquistam o poder, regressam do esconderijo eleitoral para usufruírem do poder com um cargo que lhes facilita a vida em muitas áreas. Ninguém vive melhor na Madeira, sem qualquer risco, do que as elites do PSD-M.

É esta habituação e concentração de poder, que tudo determina, que tornou o PSD Madeira autista. Enquanto fala de Autonomia, do "já viram isto nas mãos de outros", de todo tipo de jogadas psicológicas, o que fica são obras pensadas para a facturação dos lóbis e justificadas como benefício para o povo. O PSD Madeira usa os seus benefícios como dádiva e partilha de todos mas, ... nada de novo chega à casa dos madeirenses. Lá encontram falta de rendimentos e prosseguem o caminho da pobreza; os impostos não têm retorno, sobretudo na saúde quando até pagam a dobrar porque o que sim encontram em casa é a dívida das elites do PSD Madeira por pagar. Muitos deixaram de viver de variadíssimas formas e a CULPA é do PSD Madeira que assobia.

Estes excessos verbais, com as "culpas" ou as tiradas dos espertalhões recebem indiferença porque cansou e os resultados são nenhuns. O PSD Madeira tornou-se incompetente e incapaz de perceber o povo devido à sua opção pelas elites. O PSD Madeira cansou porque primeiro juntam-se os de sempre e, depois de tudo concertado, com toda a lata e perversidade do mundo, vão à procura de banhos de multidão com a cana de pesca em riste e cenoura em frente. Assim que obtêm poder, arranca a fase 2, criar atritos com aqueles que deram o seu trabalho para a vitória porque o pote não chega para todos e têm muitas reservas de lugar ... novamente para as elites de sempre.

O PSD vai a caminho das suas internas, momento em que finge a renovação da Renovação com os mesmos, um ultraje à política séria. As palavras fortes, sem valor por histórico depreciativo, são veículo de abuso da confiança para com os militantes e seguidores pois tudo fica na mesma. 

O PSD Madeira não percebe que acabou, não percebe que está gasto e que as pessoas já não suportam as mesmas caras que, uma e outra vez, defraudam e nem fazem a travessia do deserto. Agora é muito bom perder, fica-se melhor na vida e recebe-se elogios. É a outra face, a interna, dos concursos viciados e do êxodo da qualidade no funcionalismo público. Não são estranho os falhanços incríveis mas, sempre arrogantes, das capas dos jornais. Podem estar habituados ao ambiente mas, tratar cidadãos e militantes como putas que se despacham assim que se aliviam ... acabou. Venha outro respeito! Atentados ao pudor, à inteligência, e a crueldade de insultar os sãos para dar guarida a vermes ... vai acabar.

A realidade dá permanentes pistas ao PSD, ostracizaram tanto que ficaram ostracizados ... se calhar bêbados de poder. O regresso de Jardim representa o colapso da Renovação que, curiosamente, renovou para si mesma quando antes sabia a cartilha toda para os outros. O PSD Madeira mostra não ter mais nada para oferecer, tudo acaba na fórmula que já foi de sucesso. Se o PSD Madeira continua assim, a lista telefónica ficará cada vez mais curta:


Nota 1: se é dos tais que se deixou comprar ou iludir, receba o prémio antes das eleições.

Nota 2: peço a quem tenha conhecimentos de linguagem gestual que traduza, parece que é difícil comunicar com surdos. 

Nota 3: a piada do texto é dizer tudo clarinho mas eles vão cometer o erro. É aqui que se vê que o poder é mais importante do que o povo.
Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.