Qual é a pior pobreza?

Perguntar pela pior pobreza supõe o reconhecimento de que o profundo e extenso universo da pobreza não é uniforme, tem diferentes nexos causais, expressões sociais diversas e impactos multiformes nas sociedades.


É de destacar a afirmação recente do Papa Francisco, na encíclica Fratelli Tutti: «Não há pobreza pior do que a que priva do trabalho e da dignidade do trabalho» (nº162). Esta declaração nasce do reconhecimento de como o trabalho é uma dimensão essencial da vida social, não só pelo que deveria garantir às pessoas os recursos para o seu desenvolvimento, porque o trabalho com direitos é uma das condições fundamentais para a superação das desigualdades sociais, mas também porque um povo não vive como povo quando é menosprezado o trabalho como aspecto fundamental da realidade social.

«A grande questão é o trabalho.» Por esta razão, e por consequência, a pior das formas de pobreza é, como diz o Papa, a que priva alguém do trabalho e da dignidade do trabalho.

A centralidade do factor trabalho como chave da questão social assume maior significado quando ganha espaço político e social um determinado discurso perverso face ao agravamento da situação económica e social, que consiste em derramar subsídios para responder à crescente pobreza. Pelo contrário, importará afirmar que o combate à pobreza não se faz através de subsídios que, como afirma o Papa Francisco na sua última encíclica, devem ser sempre provisórios para enfrentar emergências, porque o que é decisivo é o conseguir uma vida digna através do trabalho.

Quero, deste modo, publicamente sublinhar estas palavras do Papa Francisco na encíclica Fratelli Tutti onde o direito ao trabalho com direitos se coloca como a questão chave da questão social nos nossos dias. E raros são os responsáveis políticos capazes de consequentemente reconhecer a importância da afirmação do Papa Francisco sobre a questão essencial do factor trabalho.

 É, pois, muito relevante que o Papa proclame que «o trabalho é uma dimensão essencial da vida social, porque não é só um modo de ganhar o pão, mas também um meio para o crescimento pessoal, para estabelecer relações sadias, expressar-se a si próprio, partilhar dons, sentir-se co-responsável do mundo e, finalmente, viver como povo».


Tanto mais é de um vasto alcance significativo esta centralidade do trabalho e dos direitos laborais quando se regista o alastramento de uma "cultura do descarte", em especial, nas suas incidências em tempo de crise económica e social. Quando alastra uma prática de desvalorização do trabalho e dos trabalhadores e, em relação ao mundo do trabalho, quando se vulgariza a ideia de que existem sectores da sociedade que podem ser descartados, como está a acontecer com os milhares de desempregados, então colocam-se enormes desafios éticos e políticos para os quais a recente encíclica nos traz profundos vectores para a reflexão e para um novo agir transformador. 

Para responder à problemática da pobreza, «a melhor ajuda para um pobre, o melhor caminho para uma existência digna», como é proclamado na Fratelli Tutti, «deve ser sempre consentir-lhes uma vida digna através do trabalho». E é este o rumo incontornável para uma Humanidade diferente.

Como anuncia o Papa Francisco nesta encíclica, naquela base «é possível desejar um planeta que garanta terra, tecto e trabalho para todos». É possível erradicar a pobreza!

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.