Os cães de Pavlov


Nós somos o que fazemos. O que não se faz não existe. Portanto, só existimos nos dias em que fazemos. Nos dias em que não fazemos apenas duramos, padre António Vieira

Ivan Petrovitsj Pavlov (1849-1936), foi um físico russo que também foi estudante de farmácia e psicologia, tendo recebido um Prémio Nobel da Medicina pelos seus estudos sobre condicionamento humano e animal. Na sua mais conhecida experiência, oferece comida a dois cães (estímulo não condicionado), com o “reflexo a ser a salivação os bichos”. Mas ao mesmo tempo que Pavlov dava comida aos cães, accionava uma campainha (estímulo condicionado). Depois de repetir este processo “de estímulo-resposta várias vezes”, Pavlov limitou-se somente a tocar o sino, não dando comida aos cães. A resposta – o reflexo – dos cães foi a seguinte: o toque do sino produziu salivação nos animais.

Na RAM estamos desde há muito condicionados. Este condicionamento começa logo na escola, fruto de uma cultura imposta por um partido dominante, com uma atitude prepotente, autoritária que em meio século de nepotismo criou um regime déspota, quase absolutista desde quase há meio século. O madeirense infelizmente, fruto da fraqueza também do estado central, é o "cão" perfeito para uma experiência de Pavlov.

45 anos “disto” condiciona mentes, saberes e vontades. Mas sobretudo novos pensares.

A inovação, a criatividade, pensar diferente  nunca foram/são permitidos, o que leva a que nós aqui na “pérola do Atlântico” deixemos de ser inovadores para sermos meros seguidores. Deixemos de ser líderes para sermos apenas escravos. Muitos poucos ultrapassam este espartilho mental e quando o fazem, já estão cansados e ávidos de descanso, sem forças para mais.

A qualidade não é aproveitada, o mérito não é dado, o esforço não é reconhecido. A falta de confiança é uma constante, não só na liderança “permitida e existente” como também na oposição que se exige.

Aliás fruto desta situação e condicionalismo criado, a oposição parece demasiadas vezes o outro lado da moeda, o lado bom mas ineficaz, de uma moeda má ( livra, estou a citar Cavaco Silva, brrrrrrr !)

Não tenho dúvidas nenhumas que a oposição está confinada. Toda. Porque a maioria deles nasceu e cresceu neste regime. Podem não ter os tiques, Mas de certeza que têm os toques do regime. Resta saber até onde estes “toques” os deixam fazer diferente. Para já existe alguma mas ainda pouca diversidade e isso faz uma diferença enorme para quem tem, para quem quer que o regime seja desconfinado e não condicione mais ninguém.

Quantos anos tem Cafofo ou Miguel Iglésias? quantos anos tem Élvio Sousa ? Quantos anos tem Ricardo Lume ? Tirem-lhes 45 anos e alguns ou não tinham nascido ou cresceram NO regime ( não COM e NO regime como Jaime Filipe, Carlos Rodrigues, Prada, Melim, Brício, Cláudia Perestrelo, Sara Madruga da Costa, Calado, Miguel Albuquerque …. ).

Isto parece afinal uma soma dos que cresceram NO  regime e aqueles que nasceram COM e NO regime. E esta soma é desfavorável à oposição, claramente. Porque quer se queira ou não, parecem para todos  condicionados em pensamentos e actos. Por isso têm de lutar mais, o que me parece que não conseguem, porque estão exaustos em quebrar aquelas correntes mentais e quando a fronteira da ruptura fica mais próxima, têm medo de a ultrapassar.

Acredito que a oposição esteja a fazer por sair deste confinamento mental, deste confinamento de ideias e ideais. O que ainda não percebi é quem nela toda tem capacidade para fazer tocar os sinos, como Pavlov fez com os cães.

Por mim claramente como muitos já perceberam, tento tocar uma sirene, não sinos. Falo por mim e por muitos outros que em artigos aqui na Gnose, nas redes sociais, nos jornais, com o nosso nome plasmado, criticamos o regime. São inumeros e inumeras. Tambem muitos independentes. Não falo por quem criticando, não deixa nome. È melhor que nada ter, mas não o suficiente. para amedrontar o regime. Porque afinal esses estão confinados, condicionados. E tanto estão que têm medo, continuam com medo, mesmo depois destas pequenas grandes vitórias que todos conseguimos. A da critica do regime, cada vez mais e melhor. Mostrar os podres e as suas inúmeras fraquezas. Estas pessoas não sabem que darem o nome faz o regime tremer mais. Não perceberam que o regime é apenas um gigante com pés de barro.  Por isso também estão confinadas nos seus limites, na sua liberdade.

Resta saber se a oposição nos ouve, sobretudo o PS-M que a deveria liderar, mas não hegemonizar. Percebo que a oposição tenha medo, não pense ainda diferente, pense estar limitada, mas isso é mais um condicionamento que o regime impôs: a falta de confiança e os limites das suas fronteiras mentais. Porque é isso o que o regime pretende. Serem , a oposição, cobardes e nada confiantes na sua força e de todos aqueles que estão com eles. Porque o regime é cobarde, não confia nos seus e paga para se manter. E quem paga para se manter, mais cedo que tarde, vai cair. É o que a história diz.
A maior parte das pessoas prefere ter certeza de que é miserável, a correr o risco de ser feliz, Robert Anthony

A oposição tem culpas, apesar de estar condicionada, confinada. Afinal, hoje e por agora, apenas precisamos que alguém ouça estes sons de sinos que muitos, quase todos fazem, mesmo baixinho. Uma maioria silenciosa, mas expectante que os oiçam.  Que a oposição seja diferente, não igual. Esteja preparada para ouvir todos e não apenas alguns. Que esteja aberta a ideias diferentes e não às ideias do costume, em que o vencedor é apenas um e os outros fazem apenas parte da encenação. Enfim quem pensa diferente, deseja diferente e lute pela diferença. Porque a oposição tem de perceber que é com ideias unas e claras que TODOS podemos derrubar este regime.

Quando a oposição souber porque deve lutar, nós madeirenses saberemos escolher ….diferente. Esperamos que assim seja. Esperemos que alguém toque o sino. Eu faço-o como muitos mais. Deixemo-nos de mensagens privadas, de artigos não assinados porque é isso que o regime pretende. Porque assim estamos a fazer exactemente o jogo do regime. Umpequeno passo para o homem, mas um grande passo na revolução e evolução mental.

Afinal, quando é que perceberemos que todos juntos com a nossa força podemos tocar os sinos mais forte ? E estes passarem a ser uma sirene de tal forma forte, que derrubará  todos os muros deste regime. E quando é que a oposição perceberá que não somos UM meio, mas O meio para deitar abaixo o regime ? 

Ou a oposição tem medo da nossa voz ? Se for assim temos pena, são exactamente o regime. Pertencem ao regime. Querem manter o regime. E se assim for, mais fácil será derrubar a oposição, para podermos depois bater o regime sem condicionalismos e sem uma mão amarrada atrás das costas. 

Pink Floyd - Dogs

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.