E o destino turístico sustentável? Rezemos a Jesus!


Sei que há um movimento que pretende pôr fim aos TPC (Trabalhos Para Casa) mas, neste caso, como não diz respeito a estudantes, que até podem passar sem conhecimentos e chegar ao poder, julgo haver um espaço a algumas observações a alguém que não faz TPC. Tudo para ficar impoluto e não tocar em ninguém, sempre aprendeu alguma coisa com a primeira experiência, passou a resolver tudo de fora para dentro na "boa" política da culpa e inimigo externo. Existe uma expressão que diz "Limpa a Casa" e não é propriamente a casa em sentido linear mas todo o espaço que carece de ordem.

Não sei se já viram como o tempo passa rápido em mais um final de ano, levamos 5 de anestesia no Turismo, atenuada pela inoperacionalidade do Aeroporto que dá para ir jogando como algo que excede a capacidade política. É o tempo e não mandamos nele, no meteorológico, no cronológico sim.

Suponhamos que era possível, a Madeira trocava a sua meteorologia pela dos Açores. Aquela que se vai colocando na rota dos furacões e de intempéries que também encerram aeroportos. Presumo que não trocavam mas não juro, é que alguns governantes conseguem surpreender pela negativa. Não somos os únicos com problemas climáticos.

Ontem, a comunicação social noticiou que:

Os Açores são a primeira região do país certificada como destino turístico sustentável, distinção atribuída a apenas 13 regiões no mundo e entregue esta quinta-feira com a categoria de "prata" pela certificadora Earthcheck." Link
Os políticos da Madeira, especialmente o Governo Regional, trabalham para consumo interno tudo o que diz respeito à natureza. Com laivos, aqui e ali, onde podem disfarçar a situação (ex. colónia de lobos marinhos) actuam sem afectar todo o esquema instalado em prol do betão e de outras negociatas.

Soube há cerca de um mês, que uma das primeiras regiões a ser contactada para se certificar como destino turístico sustentável foi a Madeira, proposta que foi rejeitada, e agora leio que os Açores já foram certificados. A tendência dos convites julgo ter sido pela notoriedade e a Madeira provou que as suas distinções consecutivas têm falta de fundamento no terreno. Esta certificação (da Global Sustainable Tourism Council (GSTC) é para consumo externo e tem influência num nicho de mercado do Turismo que se dedica à natureza e à exploração mas que também educa o massivo. O certificado é mais efectivo sem cliques, figuras mediáticas ou alaridos políticos. É uma estratégia séria de compromisso que assegura a qualidade do destino.

O que perderia a Madeira se aderisse? A betonização, os mamarrachos, a falta de políticas contra as alterações climáticas, de certeza! Logo, ao não desejar assinar um compromisso de destino turístico sustentável, sabemos que a aposta é mais do mesmo com protecção ao sistema. Vá de retro, contra tudo aquilo que pode ser invocado para não permitir mais agressões à qualidade do nosso destino. É que o grande problema desta certificação é a sua validade por um ano, o trabalho de auditoria é feito pela Eartcheck, a entidade certificadora, que avalia um conjunto de parâmetros, como a produção, distribuição e conservação da energia, da água, a emissão de gases com efeito de estufa, a qualidade do ar, a poluição ruidosa e luminosa, a gestão dos ecossistemas, os transportes, a gestão cultural e social, etc.

Com a política que o PSD Madeira faz não sei como vamos conseguir, de forma séria, o compromisso de preservar a rica cultura e ecossistemas terrestres e marinhos do arquipélago da Madeira para ser reconhecida globalmente como um destino sustentável para férias, negócios e estilo de vida. Este compromisso é especialmente interessante para a gestão de destinos e, significativo, no momento em que muitos destinos na Europa reconhecem a necessidade de gerir o turismo excessivo. Se a Madeira está em ciclo contrário na afluência, constrói Savoy's e mais hotéis já percebemos os obstáculos deste certificado para o Governo Regional. É um vá de retro ...

Ao aderir a esta certificação de destino turístico sustentável, toda a estrutura do Governo Regional concebida para ser plácida e colaborante com "agressores" estaria manietada sob escrupuloso escrutínio da certificação anual. É que o Programa de Destinos Sustentáveis ​​EarthCheck fornece uma estrutura científica para medir e monitorizar o impacto ambiental, social e ainda acompanhar o desempenho do destino em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aos critérios de Destino do GSTC e ao Padrão de Destino do EarthCheck, actualmente em uso em quatro continentes e oito países.

No caso dos Açores, a sua política de investimentos será aconselhada (se desejar manter a certificação) nas soluções que incluem a captação de água da chuva e o uso de energia renovável, como geotérmica, solar, eólica e hidroeléctrica, para ajudar a minimizar o consumo de energia em toda a região - com a meta de atingir 80% de participação das energias renováveis ​​na rede até 2030, para além dos objectivos de impacto ambiental e social.

Os Açores são  o primeiro arquipélago certificado do mundo pelo programa EarthCheck Sustainable Destination, porque a Madeira não estava para aí virada. Veremos os entretenimentos internos que entretanto ocorrem no que é "verde e azul". O tempo passa, as Canárias resolvem os voos, os Açores creditam-se na sustentabilidade, nós marcamos passo.

Nota: parabéns aos hotéis auto-sustentáveis da Madeira, sempre temos esperança nalguns empresários conscientes.

Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.