Dilemas e xenofobia

Arranja problemas emprestados, se essa for a tua natureza, mas não os emprestes aos teus vizinhos. Rudyard Kipling
Os ingleses têm um problema/dilema a que recorrem muitas vezes: o dilema do prisioneiro espanhol(*). Em poucas palavras. Imagine-se um espanhol que está aprisionado à 20, 25, 30 anos numa prisão. Imagine-se também, que nestes anos todos, ele tenta por todos os meios possíveis e imagináveis tentar fugir, tal como vê acontecer aos outros prisioneiros. Ainda por cima, numa prisão muito pouco vigiada, própria para fugir. Imaginemos o que ele terá passado, sabendo dessa realidade. Por isso, enlouquece. Mas, existe sempre um mas, este espanhol, infelizmente, nunca percebeu que a porta da sua cela estava …..aberta, destrancada. 
 
Um aperto, um dilema: como tudo querer, tudo manter e tudo gastar.
Este é o problema do governo actual da caranguejola. Por todos meios imagináveis e não só, tenta sair do aperto económico onde está. Um aperto financeiro grande, onde por esta altura, suspira, agradece por qualquer “milhãozito” que tenha nas suas contas. Suspira, suspira, faz contas sobre contas e apercebe-se que até Janeiro de 2020 , não tem dinheiro para fazer face a pagar ordenados, juros, compromissos, ….. Por isso precisa de dinheiro para a tesouraria de 2020(!!!!!), que afinal é para pagar as necessidades de tesouraria de até Janeiro de 2020.


Pior, sabe que nada tem para 2020. Está tudo a zeros. Curtito. Ela por ela. As receitas que acha que vai ter, de acordo com as projecções do OR de 2019, são falsas. Foram calculadas ad-hoc.
Por isso, um regime que sempre disse não à republica,  de "homem superior", hoje suspira pela ajuda da Lisboa. De tal forma, que coloca, sem a república pedir, os seus deputados à venda. E todos sabemos, que quando se vende depressa e barato, nada se pode obter de bom. Claro que fazem "reivindicações", para ficar bem na fotografia, que todos sabem à partida que ou não serão atendidas, ou se atendidas, com condições. Costa não precisa deles, para passar o OE. Mas atraiçoam Rui Rio e Montenegro. Afinal está-lhes no sangue.
Ao resolver os nossos problemas, devemos ter cuidado para não criar problemas ainda piores, Indhira Ghandi
Um GR subsídio-dependente. Não é autónomo. apenas é dependente. Mas este GR, da caranguejola, psd-M + “cedozinho”, tem a ajuda de um "inimigo", que afinal é amigo, Carlos Pereira (CP). Pior, CP, não ouve o que, Costa, diz. Que a Madeira tem de entrar nos eixos. Se Lisboa entrou, Funchal também tem de entrar ( os Açores têm não só margem de manobra, como um César ). E Carlos Pereira que se julga um César, afinal está mais próximo de um Brutus. Um dilema. Fica, não fica, agrada, não agrada, mas o melhor é um nim

Albuquerque, Calado colocam os seus deputados na AR à venda, sem ninguém pedir !!! São voluntários obrigatórios. Costa não precisa de 3 vendilhões e não quer causar problemas ao PSD de Rui Rio. ou Montenegro, ou …. 
Mas MA sabe que precisa de Lisboa. Porque sem Lisboa, o seu governo não dura. Vai falir. Outro dilema. 
O “cedezinho” está por tudo. Perdido por um, perdido por mil. Nesta altura, valem zero e estão por tudo e todas. Outro grande dilema.  Por isso Albuquerque e o psd-M têm medo. Têm um parceiro que está por tudo, que nada vale eleitoralmente mas tem de fazer tudo para sobreviver. Agora com eles, amanhã......logo se verá. Outro, outro, grande dilema. Quem atraiçoa quem e quem será o primeiro ?  Lopes Fonseca como líder parlamentar do "cedezinho", parece agora um Bobby ou Tareco. "Senta Bobby, senta. Dá a pata Bobby. Deita Bobby." . Mas amanhã, já pode fazer tudo ao contrário. Um Bobby rosneador, afinal, quem abjurou dos seus princípios, ..... pode também abjurar a estes novos. Um osso servirá para os acalmar ? Não acredito, porque a lei da sobrevivência é maior.

Mas porque CP tenta ajudar o psd-M ? ou o governo da caranguejola ? Não se percebe, excepto se CP estiver aziado. É que CP, só recentemente (10/14 anos ?) e porque não teve o aconchego que pedia no psd-M, se “virou” para o PS-M. Afinal, CP e PC são iguais, têm a mesma escola e trabalharam da mesma forma nos tempos de AJJ. Aqui não existe dilema, apenas interesses. Usando e abusando dos fundos comunitários, em empresas (pré)falidas ou subsidio-dependentes e nada fazendo, excepto tentarem trabalharem por tudo, em todos e com todos.

AJJ tinha razão. Nada como colocar todos, mesmo os PS-M´s ( ou futuros protos socialistas  sobre o seu jugo.) Afinal, o que os destrinçava ? Nada. Todos "comiam" da mesma "mesa". A distribuição de "dividendos" era para todos ( uns mais que os outros ). A região sobrava e dava para todos: do psd-M e do ex-ps-M. 

Sobrava o CDS-M, inimigo fidalgal de AJJ !!!! e Martins Júnior, Edgar Silva, Guida Vieira, Violante Matos (tão mal tratadas mesmo em termos pessoais por Ramos e companhia) e os párocos mais novos ( aqueles que não seguiam os ditames dos sucessivos bispos ) e pouco mais. Agora... uns cometeram Hara-Kiri, outros desapareceram, reformaram-se, alguns têm de estar, porque  são bibelots e outros já estão fartos.
A maioria das pessoas gasta mais tempo e energia a andar à volta dos problemas em vez de os tentar resolver, Henry Ford
Com MA e os renovados tudo mudou. Já com AJJ, foi o diabo aparecerem os canais SIC e TVI e com a TV cabo, o povo começar a ouvir, mais do que dizia a RTP-M situacionista. Depois vieram a net, os blogs, os jornais on-line que pensavam diferente. As opiniões, já eram livres de serem ouvidas, lidas, mas claro os jornais do regime, JM por exemplo, continuaram ( antes do GR, agora das Ribeiras Valleys do GR).


O IN ( Insular Noticias ) apareceu. antes e desapareceu depois, das Regionais. O regime precisava dele, um contrapoder ao que se dizia e escrevia na net. Vai aparecer por certo nas próximas eleições. Mas a RTP-M continua ali para “o que der e vier”. E claro os correspondentes da SIC e TVI, que como todos sabemos, quando emitem uma peça da Madeira e sobre governação, têm o coração ligado ao cartão laranja ( directa ou indirectamente). MA não é AJJ. Não cria empatia e a imagem que transmite é "cuspe". Abusa dela, porque se acha "aristocrata" de classe superior, quando afinal é apenas um arruaceiro civilizacional. Usa, atraiçoa, persegue. Só sabe que tem de manter o poder a todo o custo, porque, como particular, vai ter que responder à justiça e como politico.... a justiça tem de esperar por ele  (ela é lenta, mas como Manuel António, chega sempre ).
O prisioneiro que tem a porta do seu cárcere aberta e não se liberta, é um cobarde, Ferdinand Foch
Mas voltemos ao dilema do prisioneiro espanhol. Parece o GR e psd-M Não têm a mínima ideia do que fazem ou de que meios possuem para fazer algo válido Por isso, visitam (**), por isso mandam fazer estudos, conselhos de “economia …. criam direcções regionais….criam barracas, …. apoiam a CMF nos objectivos pretendidos e retiram-lhe fundos, para os conseguir obter. Apoiam as câmaras do regime, esquecendo-se das outras (remember os “apoios” de AJJ a Porto Santo e Machico no pré psd_M e no pós psd_M ?)

Recentemente duas ( 2 ) noticias chamaram-me a atenção. A primeira do WallStreet Journal, que dizia que em Novembro nos EUA, foram criados 260 000 novos empregos e a outra de Pedro Calado, dizer que sobre o desemprego  (a aumentar ) nada se pode fazer ( a culpa é dos jovens !!!!!! ).

Porque não se demite? Afinal, o que PC diz, não é mais do que a admissão da falência total do que os anteriores GR´s e o actual dizem/disseram. O modelo está errado. Não existe crescimento de economia, não existe “pleno emprego”, está tudo dependente de dinheiro, da República. Economia não existe. Saúde não existe. Segurança Social, não existe. Mas, existem sempre Direcções Regionais a serem criadas para os próximos. Em suma, não sabem criar riqueza, mas gastar o que não têm, para os futuros ..... pouco poderem fazer. Afinal, perdido por um ....

É um GR do deixa andar, com a ajuda ainda de alguns “socialistas” do regime. Os Trindades estão quietos ( volta Sócrates, aqui estou Costa ), CP = PC (  propriedade comutativa da adição ) , para fazerem e trazerem mais “autonomia” e   "autonomia fiscal” para a RAM e zurzirem companheiros  (mesmo admitindo !!! que não estão dentro do assunto )

Enquanto o PS-M tiver este dilema ( estou ou não estou, tenho receio ou não ) de claramente dizer NÃO ao actual estado de coisas, o dilema persiste. A ruptura ou não do actual “status quo”. Carlos Pereira, do PS-M chamar leviano ao presidente da CMF…. é caso de “policia” e sobretudo, na minha opinião de imediato retirar a confiança política. Ou o PS-M é um queijo suíço ? Já ficou mal o PS-M ter colocado os rebentos do "presidente", no PE e AR, mesmo que nada possuam de qualificações. Será por isso melhor ter CP e outros como ele, no redil, a "mijar" para fora, do que fora a "mijar" para dentro? Estão enganados.

A xenofobia
Nasci em Angola e vim para a “metrópole” em 1976, antes da independência daquela. Fui morar para Campo de Besteiros e aquilo era pior que a Madeira ( porque sem turismo ) e com a maior parte da freguesia e concelho de Tondela sem luz, ……
Obviamente o pessoal tinha de emigrar, para sobreviver. Sobretudo para França, Luxemburgo e alguns para a Alemanha. Mas o que retenho, são as férias na Figueira da Foz e a “confraternização” entre os residentes e emigrantes nos cafés ou lojas na altura, por alturas do Verão, Páscoa e Natal. Era engraçado, muitos sem saber falar francês a querer fazê-lo ( os emigrantes ) e fazendo questão disso, nós os residentes a …. rir e criticar aquelas figuras ( e os bons carros deles, que eram... alugados ). O problema é que alguns faziam de propósito para ficarem … à parte ( aquelas anedotas de “Joãoin , Joãoin  attention; Marie, Marie , vêz, toi comme estás. Bien ? Vous prouvez de de ver a alheirââã et tommer le café....” são verdadeiras).

Para fazer uma casa na terra, eram humilhados lá fora. Comiam o pão que o Diabo amassou. Mas claro, nas férias, mostravam para os locais um nível de vida, diferente. Eram ricos, puxavam pelas notas de francos, marcos ..... como se fossem milionários. E gastavam, para mostrar ....diferença, como falavam para mostrar ....que eram diferentes. 
Todos os homens são influenciados pelo preconceito de classe, e só uns poucos são inteligentes, textos hinduistas
Foram obrigados a irem para lá. Primeiro os pais, depois os filhos….. E os que nasceram lá, gostavam de visitar as origens dos pais, avós, mas não queriam ficar em Campo de Besteiros.

Tive em Coimbra, na Faculdade de Ciências e Tecnologia, como professor, Sá Furtado. Foi meu professor de Resistência dos Materiais e lembro-me que numa frequência tirou-me 2 pontos, por erro gramatical e ortográfico. A mim e a muitos meus colegas. Dizia ele, que os “potenciais futuros quadros dirigentes da nação, não podiam dar erros a português e falar mal o português”.

Tem toda a razão. Não é possível, termos deputados ou dirigentes a dar erros a Português ou a desconhecer a história do País. A querer, na língua e na história, subverter conceitos ou conteúdos. Um deputado mal educado, mal em português, mal em história da nação, mal a falar …. é péssimo. Também não concordo com Marques Mendes, que disse na altura das presidenciais, que candidatos como Tino de Rans e outros deveriam ser … excluídos por "darem ideia má do país ". Afinal, a democracia é para todos e não apenas para alguns. Democracia, não é oligarquia, como muitos, na Madeira e Lisboa, acham.

Tudo isto para poder dizer que o deputado do PS-M na ALRM, Beto Mendes, tem toda a razão e o meu apoio quando disse o que disse sobre Carlos Fernandes. É verdade, este ultimo ( e são muitos os anos que já passou na Madeira ) não fala português e claro, não sabe escrever português. Logicamente.
Beto Fernandes foi xenófobo ? Eu acredito que não. Mas é claro que Carlos Fernandes, não se integrou, como a maioria dos nossos concidadãos luso- venezuelanos, descendentes e não só Por mais tempo que passem em terras lusas, sobretudo na Madeira, os nossos luso-venezuelanos, fazem questão de ser excluídos, pelos comportamentos, nas atitudes , na linguagem e no modo de estar. Não é falta de apoio, é não quererem. Não se integram, nem aos filhos  (é ver um bar, restaurante, padaria, ....) Por mais anos que passem entre nós, infelizmente, fazem questão de manter vivos o “portunhol” e nada fazerem para que os seus filhos nas escolas, falem correctamente o português.  Assim na Madeira com o “portunhol” como em Campo de Besteiros com o “franceguês”. Porquê ? Os sociólogos que respondam. Vejam Joe Berardo. Este comendador, está já à mais de 30 anos em Portugal e ainda usa o inglês. Mas para quem esteve com ele a falar inglês, vê que o homem , de inglês sabe menos que ...nada. Usa e abusa do "portuglês". Para quê ? Por mania, claro. Mas é uma anedota e um "must" para quem o ouve e acha o "supra sumo"das finanças. 
Os preconceitos, meu amigo, são os reis do vulgo, Voltaire
Infelizmente, muitos dos nossos irmãos luso-venezuelanos, vieram para a Madeira, apenas...porque sim, em ultimo caso. Muitos nem sabiam o que era a Madeira e Portugal, se não fosse o passaporte e os ...avós. A  nossa obrigação é de os acolher. A deles é de fazerem todos os possíveis para se integrarem, coisas que muitos não fazem ( tenho uns vizinhos que após mais de 40 anos na Madeira continuam a falar "portunhol" ). Infelizmente estas pessoas, quando chegam, são usadas para tudo, mesmo como arma de arremesso e para fins eleitoralistas. E deixam, porque acham que ganham mais uns "tustos". 

A culpa é deles ? Sim, porque apenas querem receber apoios monetários a que acham ter direito. Mas também, sobretudo, daqueles que os usam, para fins particulares e de curto prazo. Muitos ficam aqui porque é mais fácil. Todos têm pena deles e já sabem que são uma força que decide eleições ( como estas ultimas ). Portanto recebem ajudas, apoios que os Madeirenses, só a custo recebem. O GR, para ganhar eleições, está a criar na Madeira, portugueses de primeira e de ...segunda. Com a diferença que os primeiros nada contribuíram para a Região e para o país e os últimos muito.  Os primeiros, à primeira oportunidade saem. Os últimos ficam. Mas devemos abandoná-los ou não os ajudar ? Não, mas têm que fazer o seu papel, que é o de gostarem desta terra e não apenas de vê-la como "entreposto" de saída e de apoio financeiro.
Qualquer Francês deseja beneficiar de um ou mais privilégios. É a sua maneira de afirmar a sua paixão pela igualdade, Charles De Gaulle
Porque existem outros, muitos mais dos que estão na Madeira, que em Aveiro, Avanca, Ilhavo, Lisboa, Porto, Sever do Vouga por exemplo, com o seu trabalho e pequenos negócios, se integraram plenamente e vejam só, têm os filhos como dos melhores alunos nas escolas e o “portunhol” desapareceu e com ele …… as diferenças e as barreiras artificiais criadas. Estes procuraram trabalho, outra forma de vida que não a dependência e sobretudo não precisam de desculpas para ...fazerem muito e bem.





Observação
(*) de Espanha, nem bons ventos nem bons casamentos. Serei xenófobo ?
(**) depois de Teófilo com as taças de pesca, RB na ACIF com a .....MA nos concessionários automóveis, tivemos PC nos padeiros e MA nos vidros Como nada podem fazer, visitam ou criam ....direcções regionais porque o desemprego aumenta. Estou ansioso para saber quem será o primeiro a visitar uma funerária. Também têm direito. E o GR até ficava bem numa foto de grupo, com aquelas caras lorocas num calendário de 2020 ou posters. Na funerária " bom acolhimento"
(***) O Lar da Bela Vista tem um Conselho de Administração ( pois é !!!! ) engraçado. Ganham muito, pouco fazem e as asneiras com os utentes continuam, porque nada gerem, nem vêm. São as "mini-chefes", ajudantes, auxiliares ....que mandam, sobretudo aquelas que têm o cartão do partido e que criam ali tratamentos de primeira e de segunda, nos utentes

Da nossa Nelly Furtado, luso-descendente canadiana, Dilemma
Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.