22 de Setembro de 2019.


Eu não voto por rótulos. (...) Eu não quero saber das campanhas eleitorais para nada. Eu quero saber das ideias que as pessoas têm e da maneira como depois as vão defender e praticar, Agostinho Silva.
Nas vésperas de eleições, normalmente o politico utiliza os velhos chavões “ os próximos 4 anos serão determinantes….”; “ esta é a altura de votar na diferença e na mudança….” ; “vamos manter o rumo… “; “somos a diferença…”; Miguel Albuquerque utiliza todas. Paulo Cafôfo a segunda e a ultima. Queremos um  360º em atitude, determinação e governação, ou um 180º dos mesmos ?

Amanhã vota-se na Região Autónoma da Madeira. E os nossos votos, vão ser determinantes para mudar o sistema politico actual na Madeira ou para o manter. 

Quer se queira ou não, é no PS-M e no psd-M que se vai jogar o futuro da Região. É em Paulo Cafôfo, ou em Miguel Albuquerque. Será no dinamismo e na mudança de espírito, ou no amorfirmo e seguidismo ? Será em quem pensa diferente, ou em quem pensa igual ? Será na independência económica ou será na dependência económica actual de Lisboa ? Será num governo de, para e pelo Povo ou será num governo de e para alguns ? Será na liberdade decisória de governo ou na dependência decisória do actual governo ( Ginjas ? ) ? Em resumo, Será no mérito ou será na cunha ? No melhor ou no amigo/afilhado ? No povo ou no monopólio ? 

Pela primeira vez na minha vida irei votar, onde nunca votei. Não sei se será a primeira e ultima vez, ou se será a primeira de muitas ( autárquicas, regionais, nacionais e presidenciais são diferentes ). O tempo e a minha consciência assim o determinarão. Não voto útil na mudança, voto porque uma mudança é necessária.. Ares novos precisam-se na Madeira, Pensares diferentes. Valores distintos. Fazeres distintos. E tal como confesso este desiderato, também confesso que serei também o primeiro a questionar se a mudança, mantiver o rumo actual do psd-M, ou demonstrar que é apenas a outra face da mesma moeda. O meu voto e de todos, não pode e deve ser desperdiçado em inutilidades..

Como muitos dos nossos compatriotas luso-venezuelanos, nasci fora de Portugal, em Angola. Tive família em Angola e Moçambique. E como muitos compatriotas luso-venezuelanos, saímos de lá sem dinheiro e para mim, meu irmão, primos,... rumo a uma terra desconhecida. Como muitos dos nossos compatriotas luso-venezuelanos em relação à Venezuela ditatorial de Maduro, muitos de nós abominaram as desgraças cometidas no nosso País em 74, 75, 76 pelas esquerdas radicais e sobretudo pela ausência de opinião de uma maioria, Spínola chamou-a de silenciosa, que abominava tudo o que acontecia e era determinado em Lisboa. 

Também na altura, apontámos o dedo às nossas Forças Armadas e à sua inacção na defesa de negros, mestiços, brancos, perante grupos de bandidos ( não de lutadores pela liberdade ), que nos ameaçavam e a todos portugueses, qualquer que fosse a sua raça, credo ou condição.

A Angola da minha infância tinha a Coca-Cola, que no Portugal continental, era proibida ! Tinha electricidade, que no Portugal do interior, não existia. Tinha uma forma de ver a educação, que o Portugal do interior não tinha ( fui o primeiro da "minha classe" em Campo de Besteiros a cursar ! O meu avô materno, achava que com 14 anos, cursar era um desperdício e que devia era estar na carpintaria a trabalhar com ele, porque os meus pais não tinham posses). Métodos diferentes de pensar. Como agora na Madeira. Manter e esconder a ignorância, o mérito ? Ou olhar e fazer de forma diferente ?

A Venezuela de Maduro, não é a Lisboa de Soares, Sá Carneiro, Freitas do Amaral, Sampaio, Sócrates ( sim, por isso está ás portas da prisão ), Durão ( que fugiu ), Cavaco, Ramalho Eanes, Cristas, Costa, Catarina Martins, Louçã,  Jerónimo, Paulo Portas, Lucas Pires, Monteiro, Guterres, Mota Pinto, Marcelo Rebelo de Sousa e tantos outros. 
Também não é a Madeira de AJJ e MA  ( mesmo quando se dizem socialistas ),de Rui Barreto, Paulino Ascenção, Edgar Silva, Rafael Macedo, Miguel Teixeira, Joaquim de Sousa e outros. E seguramente não é a de Paulo Cafôfo.

Porque foi professor, Cafôfo tem uma vantagem, perante MA, Este ultimo, apenas trabalhou no partido e como empresário foi uma completa nulidade, Cafôfo conhece a realidade regional e sabe fazer contas ao ordenado, como muitos fazemos, fizeram e farão.  Entre quem tem de saber o preço no mercado de 1 kg de banana e aquele que apenas come "fillet mignon" e manda a conta para outros ( nós ), prefiro o primeiro.

O psd-M faz por confundir na Madeira, com fins meramente eleitoralistas, aos nossos compatriotas luso-venezuelanos, a Venezuela de Maduro, com o Portugal de Marcelo Rebelo de Sousa e de Costa. Demonstra apenas a baixeza de um partido, que pretende governar sem isenção, uma Região que pertence a todos. Um partido maroto, porque também não diz, que o dinheiro que os luso-venezuelanos recebem, vem na sua maioria de Lisboa. Da Segurança Social. Do orçamento de estado nacional, não do orçamento regional. O psd-M jogou uma carta perigosa, a da xenofobia e vai ter um problema: explicar porque não quer Luso-Venezuelanos na Madeira. Vejam-se declarações de Jardim e MA no início das diversas crises na Venezuela. Incrível como a oposição deixou escapar e não jogou com isto. 

Não vi Costa a acicatar a comunidade madeirense luso-venezuelana em Aveiro ou Ílhavo, onde são procurados pela sua qualidade, mão de obra especializada, formada e onde também muitos criaram as suas empresas, padarias, talhos, pastelarias, mercados……, obrigados e chamados para ali, porque na Madeira, o governo que agora os tanto aprecia e o partido que agora os adora, mandaram embora.


A Venezuela de Maduro, seria mais do tipo Rosas Coutinhos, Vascos, Arnaldo de Matos e quejandos, se o povo português deixasse. A Venezuela de Maduro, e o psd-M de AJJ e Albuquerque,  possuem pontos comuns. Não gostam de terem opositores e pensam que a violência e a coerção, resolvem tudo. “Porrada para cima deles” disse agora AJJ; “São idiotas aqueles que não votam psd-M” disse Albuquerque. 

O voto de amanhã, não irá condicionar os próximos 4 anos da Madeira, porque os próximos 4 anos já estão condicionados, pelas práticas de ingovernabilidade do actual e anterior executivo. Os próximos orçamentos regionais já estão condicionados em pelo menos 32%.
O voto de amanhã, vai é condicionar o governo da Madeira dos anos de 2024, 2025, 2026 e 2027. Se o psd-M ganhar, as mesmas práticas de ( ausência) gestão manter-se-ão.. O psd-M mostrou que não sabe governar.
Saúde, Educação, Emprego, Economia, Turismo, Qualidade de vida e Ambiental continuarão a cair. Porque ninguém acredita que seja agora que  o psd-M mudará. Apenas aqueles que acreditam no Pai Natal.

A “betonização” económica será mantida. Talvez por isso, porque existe quem precise de dinheiro, MA e o psd-M, talvez por imposição externa, querem fazer o alcatroamento da estrada das Ginjas, no meio daquilo que é um património não só Regional, não só Português, mas da Humanidade. Como disse em cima, este foi um governo dependente, liderado por um dependente (não me refiro a drogas, que invocou). Liderado por alguém que é considerado dos políticos mais ricos do país (revista Visão ).

Em suma, vou votar pela mudança na Madeira. Um voto, entre outros tantos. Sozinho, não fará diferença, junto com outros, fará muita. É a primeira vez, mas a vida também é feita de mudanças e a mudança é necessária na Madeira.

Se o PS-M conseguir formar governo, ficarei e muitos outros, contente e com a convicção de que muito "choro e ranger dos dentes", haverá. naqueles que comem e foram habituados no "fillet mignon" e faço votos que consigam desembrulhar a teada financeira montada por este e anteriores executivos. 

Se o psd-M ganhar e formar governo, formulo desde já votos que seja feliz na governação futura. Que seja mais realista e sobretudo que faça o que nunca fez: que governe para todos os Madeirense, não só para alguns.

No dia 22, amanhã, o povo decidirá..E dia 23, será mais outro dia. A vida não acaba, mas poderá ser ou a mudança que se pede, ou a continuação do status que não se pretende.



Mas de uma coisa, já temos a certeza. O psd-M vai PERDER. Mais que não seja, porque já não tem o respeito da maioria dos madeirenses. O medo  deixou os Madeirenses; porque deixou de ser um partido sendo apenas um grupo individual e egoístico de interesses. 

Hoje estamos a reflectir, diz o nosso injusto sistema eleitoral. Não se pode dizer onde se vota, mas pode-se ser filmado e fotografado com cartazes, bandeiras a apelar ao voto num partido. Os cartazes devem ser retirados, mas muitos esqueceram-se de o fazer. O sistema eleitoral português, diz que o povo é burro. 

Tenho muita pena de não poder dizer em quem vou votar. Mas sou do Sporting..

OBS

Tive ao longo deste tempo, em artigos ou “posts” que produzia/escrevia, várias réplicas, comentários. Na sua maioria boas, algumas a emendar algo que escrevi ( e emendei ), outras ainda que ajudaram mais o que escrevi e muitas que apoiaram os meus escritos. O meu obrigado.

Mas também tive outras menos boas. Destas, a sua maioria foram de ameaças pessoais, familiares, financeiras,…. Infelizmente de perfis falsos. Umas bengaladas à moda de Eça e o assunto seria resolvido. Mas é politicamente incorrecto e são cobardes. Foram muitíssimo poucos, os que me responderam com o seu nome. Destaco Cunha Vaz. Confesso, que apreciei bastante as “trocas de galhardete” e “mimos” trocados. Cada um na sua, CV também por obrigações profissionais, mas sempre com respeito. E é assim que se faz a diferença. Pena que o psd-M que ajuda e para onde trabalha, de respeito nada saiba.


Porque hoje e amanhã serenidade é precisa, Maria Callas em Avé Maria de Schubert.


Share on Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário

Pedimos que seja educado e responsável no seu comentário. Está sujeito a moderação.